Hepatite – o que é e como prevenir

hepatite é uma doença silenciosa e perigosa, pois pode levar à morte, se não for tratada a tempo. Mas, o que é hepatite? Ela é uma doença causada por um vírus que ataca o fígado, que fica inflamado. Essa degeneração do fígado pode ser causada por diferentes motivos, porém as mais frequentes são as infecções pelos vírus tipos A, B e C, além, é claro, do abuso indiscriminado do consumo de álcool. Outras substâncias tóxicas como remédios também podem causar problemas no fígado.

Causada pelo vírus VHA, a hepatite A é transmitida via oral e pelas fezes, sendo contraída principalmente pela água e por alimentos infectados (frutas, verduras e frutos do mar). Quando uma pessoa é infectada por esse vírus, ela desenvolve imunidade contra VHA por toda a vida.

 

Transmitida pelo vírus VHB, a hepatite B se desenvolve quando o vírus atinge as células do fígado. Quando essas células do fígado são agredidas pelas células do próprio sistema de defesa do organismo, ocorre um processo inflamatório crônico. A hepatite B pode apresentar um quadro de hepatite aguda, crônica (ou ambas) e fulminante (forma rara da doença que levar à morte).

Há algumas formas preventivas de evitar a hepatite, como evitar o uso de drogas injetáveis, fazer sexo com preservativo, levar o próprio material quando for à manicure, certificar-se de que quando for tirar sangue, o material é descartável, não ingerir bebida alcoólica se é ou foi portador do VHC. Outras recomendações incluem a mulher fazer o teste para saber se é portadora do vírus da hepatite C no caso de estar grávida ou querer engravidar e, se for portador do VHC, tomar as vacinas contra as hepatites A e B, contra a gripe todos os anos e contra a pneumonia.

Confira a seguir, mais detalhes sobre os tipos, os sintomas da hepatite e o tratamento para hepatite A, B e C. 

Tipos de Hepatite

  • Hepatite A – é na infância que a hepatite A se desenvolve mais. As crianças, portanto, pertencem ao grupo de risco, assim como os adultos e os profissionais de saúde que interagem com elas. Há duas vacinas contra a hepatite A.
  • Hepatite B – quem tem hepatite B diagnosticada pode ser vacinada. São necessárias três doses da vacina (encontrada em postos de saúde) para que a pessoa fique imunizada. No entanto, para tomar a vacina o paciente precisa ter até 29 anos. Ele também precisa pertencer ao grupo de risco para ser vacinado (gestantes, doadores de sangue, homossexuais, portadores de DSTs, usuários de drogas injetáveis, portadores de HIV, profissionais de saúde, vítimas de abuso sexual, manicures, podólogos, bombeiros, policiais e índios).
  • Hepatite C – quem tem hepatite C pode ter contraído a doença através de vírus, da relação sexual e também pode ser transmitida de mãe para filho. A forma crônica da doença pode levar o portador do vírus a desenvolver lesões no fígado (cirrose) e até câncer hepático. Não há vacina para a doença.

 

Sintomas da Hepatite

  • Hepatite A – pode ser sintomática ou assintomática, por isso muitas vezes o paciente leva uma vida normal e nem percebe que teve hepatite A. Os sintomas não se manifestam durante o período de incubação, mas a pessoa infectada já é capaz de transmitir o vírus. Somente uma minoria de pacientes apresenta sintomas que incluem: dores musculares, febre, náuseas e vômito, cansaço, mal-estar, falta de apetite, icterícia (pele amarelada), urina escura e fezes amarelo-esbranquiçadas.
  • Hepatite B – os principais sintomas incluem náuseas, vômitos, mal-estar, febre, fadiga, perda de apetite, dores abdominais, urina escura, fezes claras, icterícia (cor amarelada na pele e conjuntivas). Na fase aguda da doença (ela passa despercebida porque a doença nem sempre se manifesta), os pacientes normalmente eliminam o vírus, mas quando isso não ocorre e o vírus VHB permanece no organismo, a doença torna-se crônica. Na fase crônica da hepatite B, os sintomas demoram para aparecer. E quando os pacientes procuram o médico, existe a probabilidade de apresentarem sinais de insuficiência hepática crônica, que podem ser: aumento do baço, icterícia, acúmulo de líquido no abdômen, distúrbios de atenção e de comportamento.
  • Hepatite C – por ser uma doença assintomática, na maioria dos casos, e a pessoa não sabe que está infectada pelo vírus. No entanto, quando a fase aguda da doença se manifesta, podem surgir os seguintes sintomas: dor e inchaço abdominal, sangramanto no esôfago ou no estômago, fadiga, febre, náusea, vômitos, urina escura e icterícia. 

Tratamento da Hepatite

  • Hepatite A – não há um tratamento específico para hepatite A. Porém, em casos mais graves, o repouso é recomendável. A ingestão de álcool também deve ser evitada para pessoas que apresentam quadro de hepatite aguda, por período mínimo de seis meses a um ano. Deve-se evitar a ingestão de comidas gordurosas, pois podem causar vômitos.
  • Hepatite B – não há um consenso sobre a indicação de medicamentos para quem está com hepatite B. Mas, nos casos de hepatite B aguda, o tratamento é feito para aliviar os sintomas e afastar o risco de complicações. E o melhor é que não é necessário fazer repouso, basta que o paciente modere a atividade física. Os pacientes com hepatite B crônica podem ser tratados com remédios, quando for necessário.
  • Hepatite C – o tratamento para hepatite C combina interferon (substância antiviral injetável) e ribaveriva (administrada por via oral), e leva entre seis meses a um ano. Os medicamentos são distribuídos gratuitamente pelo SUS. O vírus pode ser eliminado do sangue, desde que o paciente não apresente um quadro de cirrose (forma mais grave da doença). Dependendo do tipo de vírus, a cura pode ser alcançada seis meses depois do término do tratamento.