Tipos de pimenta

Amada por uns e odiada por outros, ninguém consegue ficar indiferente à pimenta. Ela é designada como sendo uma espécie de condimento com sabor picante, cujo grau de ardência varia de quase nulo (pimentão) a muito forte (malagueta). Aliás, as pimentas são classificadas pelo seu grau de ardência, cuja escala vai de 0 a 10. Dependendo da espécie, a pimenta pode ser proveniente da Ásia ou da América Central.

 

Existe uma grande variedade de pimentas no Brasil e no mundo. Algumas são mais conhecidas e mais agradáveis ao paladar de quem gosta de temperar sua comida. Entre os vários tipos de pimenta e as mais conhecidas destaque para a pimenta malaguetadedo-de-moçapimenta biquinhopimenta de cheiro, caiena, comari, pimenta vermelha, murupi, habanero, pimenta do reino e jalapeño, considerada a pimenta mais ardida do mundo. Muitas pimentas são usadas para temperar e dar sabor aos alimentos, na produção de molhos e até para fazer geleia de pimenta.

A pimenta é usada como tempero ou como acompanhamento de diversos pratos no mundo todo, e também no Brasil. Na culinária brasileira, por exemplo, o acarajé, xinxin de galinha e bobó de camarão são algumas comidas que levam pimenta entre seus ingredientes. Há até quem já tenha experimentado chocolate com pimenta, que dizem ser uma combinação perfeita.

Além de ingrediente indispensável nas culinárias por todo o mundo, a pimenta traz muitos benefícios à saúde. Confira a seguir por que a pimenta deve ser incluída no cardápio alimentar. 

PIMENTA FAZ BEM À SAÚDE

 

Apesar de muitas pessoas torcerem o nariz, a pimenta faz bem à saúde, e pode até ajudar a emagrecer, melhorar o humor, aumentar a circulação sanguínea, agir como anti-inflamatório e ainda favorecer a redução de coágulos no sangue (devido à função vasodilatadora). Isto porque a pimenta contém propriedades como a capsaicina (rica em vitamina A, B1, B2), que age ativamente no nosso organismo.

A pimenta pode até ajudar a controlar o peso e a emagrecer devido ao processo de aceleração da queima metabólica, pois ela é considerada um alimento termogênico. Isso ficou comprovado por uma pesquisa realizada na Univesité Laval, de Québec, no Canadá, com a pimenta caiena. Uma pequena porção de pimenta caiena no café da manhã fez com que voluntários tivessem o apetite reduzido e a queima de calorias aumentada.

O fruto também estimula a produção da endorfina no cérebro, o hormônio do prazer e do bem-estar, e de outras substâncias como a dopamina e a serotonina. Ele também tem efeito antioxidante devido à presença de vitamina C (atua no fortalecimento de sistema imunológico), licopeno e outros pigmentos, que ajudam a proteger as células contra os efeitos danosos dos radicais livres.

Ingrediente importante na culinária brasileira, muitas pessoas acham que a pimenta arde demais. No entanto, se é o grau de ardência que impede que muitos brasileiros acrescentem pimenta à comida, isso pode ser resolvido com uma medida muito simples: basta extrair as sementes, pois é na placenta das sementes que se concentra o sabor ardido. Por isso, se quiser que a pimenta fique menos picante, utilize somente a casca. É claro que algumas propriedades serão perdidas se as sementes forem retiradas, já que quanto mais forte for a pimenta, maiores serão os benefícios à saúde.

Apesar dos efeitos positivos na saúde, há algumas contra indicações com relação à pimenta. Pessoas que, por exemplo, sofrem de úlcera, gastrite e refluxo devem evitar o consumo para não agravar o quadro. Mas, ao contrário do que muitas pessoas possam pensar, os agentes da pimenta não fazem mal, no entanto, como a pimenta estimula a produção de suco gástrico e, consequentemente, de ácido clorídrico, o quadro de úlcera, gastrite e refluxo pode ser piorado. Por isso, elas devem evitar comer alimentos com pimenta. Assim sendo, quem já possui alguma doença no sistema digestivo deve evitar a pimenta, pois ela pode agredir ainda mais as mucosas do intestino. 

A pimenta mais ardida

A pimenta mais ardida do mundo até pouco tempo atrás era a Bhut Jolokia, uma pimenta indiana que foi criada cruzando outras pimentas que eram consideradas as mais fortes. O resultado foi a Jolokia, pimenta que quando cortada sua sozinha. Aliás, só de olhar pra pimenta seus olhos já começam a lacrimejar. Mas a Jolokia perdeu o trono para a Trinidad Scorpion Butch T, pimenta produzida em laboratório australiano a partir de um fruto de Trinidad e Tobago.

A avaliação do grau de ardência das pimentas é feita pela escala Scoville. Criada pelo farmacologista Wilbur Scoville a escala avalia a pungência das pimentas, que chamamos popularmente de ardência. A escala funciona avaliando quantas vezes uma pimenta precisa ser diluída em água e açúcar para perder totalmente o sabor picante. Só para se ter uma ideia, pimentas conhecidas no Brasil como a malagueta e dedo de moça ficam entre 60 a 100 mil e 5 a 15 mil na pontuação da escala. Já a Jolokia alcança absurdos 1 milhão na escala Scoville. A atual campeã, Trinidad Scorpion, alcançou 1 milhão 107 mil. A pimenta é tão braba que durante seus testes derreteu as luvas de látex usadas pelos pesquisadores. Os resultados dão conta de que se ela entrar em contato com os olhos ou a área próxima deles, pode causar cegueira temporária.

Embora a escala de Scoville seja amplamente utilizada, alguns pesquisadores a consideram imprecisa, pois para cada pessoa o nível de ardência pode variar. Outros testes como o High-performance liquid chromatography (Cromatografia Líquida de Alta Eficiência), promove uma separação mais eficiente dos componentes da amostra e testes de DNA estão sendo empregados atualmente.

Tipos de pimentas do Brasil e do Mundo

Pimenta Bhut Jolokia
É considerada a pimenta mais forte do mundo, recordista mundial em ardência, segundo o Guiness Book. Para manuseá-la é preciso usar luvas. Quando imatura é verde e quando madura é vermelha. Originária da Índia. Utilizada em sua forma seca quanto frescas, em saladas e molhos.

Pimenta Americana ou Doce 
Ardência doce. Fruto alongado de cor verde intenso e brilhante. Utilizada no preparo de vários pratos da comida brasileira, muitas vezes substituindo o pimentão.

Pimenta Baiana 
Forte sabor de ardência. Fruto pode ser mais alongado ou mais arrdondado. Pode ser de coloração roxa ou preta. Usada na Bahia para fazer o acarajé com sabor de pimenta.

Pimenta Biquinho
Não arde, mas tem sabor marcante. Fruto de formato arredondado com bico. Quando imaturo tem coloração verde escura e quando maduro, coloração verde-amarelada e vermelha brilhante. 

Pimenta Branca 
Menos picante do que a pimenta preta. É a pimenta do reino madura e seca que é descascada. Encontrada em pó ou em sementes. É utilizada em maioneses, peixes, molhos brancos, sopas claras e no tempero de saladas.

Pimenta Cambuci ou Chapéu-de-Frade 
De ardência doce. Quando imatura, a coloração é verde e quando madura é vermelha. Se aproxima mais do pimentão. Usada em saladas, cozidos e recheados.

Pimenta Cayenne
Extremamente picante. Cultivada com fins alimentares, medicinais, condimentares e ornamentais. Utilizada em conservas, molhos, saladas. Originária da América Latina.

Pimenta Cereja 
Pimenta doce. O formato é de cereja. Quando madura tem coloração vermelha. Pode ser feita recheada. 

Pimenta Chili 
Extremamente picante. Originária do México. Utilizada em sopas, cremes, molhos cremosos e de tomate, frutos do mar, carnes, aves, vegetais.

Pimenta Cumari 
Alto grau de ardência. Quando imaturo, o fruto é verde e quando maduro é vermelho. Fruto arredondado ou ovalado. 
Originária do Brasil. Popular na região Sudeste. Utilizada em conservas, molhos, temperos. Também pode ser misturar ao arroz e ao feijão.

Pimenta Cumari-do-Pará
Sabor altamente picante. Similar à pimenta cumari. Fruto arredondado ou ovalado. Quando imaturo, a coloração é verde e quando maduro é amarelo. Utilizada principalmente em conservas.

Pimenta Dedo-de-Moça 
Pouco picante. Quando imaturo, o fruto alongado é de coloração verde e quando está maduro é vermelho. Pode ser encontrada na forma líquida, fresca, e em conserva. Na forma desidratada, recebe o nome de pimenta calabresa. É muito utilizada em molhos.

Pimenta Fidalga
Também conhecida como cabacinha e/ou 7 molhos e cabaça. Quando madura, tem coloração alaranjada. Utilizada no Pato no Tucupi, prato típico da Amazônia. 

Pimenta Habanero 
Sabor muito forte, picante. Quando imatura, a coloração é verde claro e quando madura é vermelha/laranja. São encontradas pimentas desta espécie na coloração amarela e vermelha. Originária do Caribe e da Costa Norte do México. Muito utilizada em molhos.

Pimenta Jalapeño 
Fruto cônico, quando imaturo tem coloração verde claro a verde escuro e quando maduro tem coloração vermelha. 
Originária do México, sendo bastante popular no país e nos Estados Unidos. É utilizada em vários molhos para tacos, nachos e burritos. Também é processada na forma de conservas, desidratada ou em pó.

Pimenta Luna 
Muito picante. Quando imatura, a coloração é verde e quando madura é amarela. Ideal para saladas, condimento para carnes e peixes. Originária do Brasil.

Pimenta Malagueta 
Ardência de média a alta. Quando imatura tem coloração verde, quando maduro é vermelho. Fruto alongado. É muito utilizada em molhos de pimentas, conservas. Também usada como condimento no preparo de peixes, carnes, em feijoadas e no acarajé.

Pimenta Murupi
Sabor picante. Quando imatura tem coloração verde, depois adquire um tom amarelo, e quando madura tem coloração vermelha. Cultivada na região Norte do Brasil.

Pimenta Piãozinho
Nível médio de ardência. Quando imatura, tem coloração verde e quando madura é vermelha. Usado fresco para temperar aves e peixes, ou inteiros em conservas no vinagre.

Pimenta Rocoto
Sabor frutoso e levemente tropical. Quando imatura tem coloração verde e quando madura tem coloração vermelha, amarela e marrom. Utilizada em molhos ou podem ser recheadas. Originária do Peru. 

Pimenta Serrano 
Possui mais sementes do que outros tipos de pimenta. Quando imatura a coloração é verde, e quando é madura é vermelha. Originária do México. Utilizada em molhos, salada, arroz.

Pimenta Shishito 
Utilizada como aperitivo. Geralmente são feitas grelhadas. Originária do Japão. 

Pimenta Tabasco ok 
Saborosa e bastante picante. Quando imatura tem coloração verde e quando madura é vemelha alaranjada. Usada como molho. Originária do México.

Pimenta Vulcão 
Sabor picante. Quando imatura, a coloração é verde e quando madura é vermelha. Usada como planta ornamental.

Pimenta-da-Jamaica 
Pouco picante e ligeiramente adocicada. Coloração marrom. Seu sabor é bastante apreciado e lembra a combinação de canela, noz-moscada e cravo-da-índia. Nativa das Américas e do Oriente. É utilizada em conservas de legumes, carnes, frutos do mar. Quando é moída serve para aromatizar bolos, biscoitos, pudins, sopas e molhos.

Pimenta-de-Bode 
Alto grau de ardência. Quando imaturos, os frutos são verdes e quando maduros são amarelo ou vermelho. Pimenta arredondada e achatada. Originária do Brasil. É utilizada como condimento no preparo de carnes, arroz, feijão. Usado também no preparo de conservas.

Pimenta-de-Cheiro 
Há diversas variedades de pimenta-de-cheiro. Pode ser doce, levemente picante ou bastante picante. Apresenta frutos alongado, triangular, retangular e arredondado. Quando maduros, os frutos variam desde o amarelo-leitoso, amarelo-forte, alaranjado, salmão, vermelho até preto. Utilizada em saladas, como condimento para carnes e peixes. Típica da culinária baiana e nordestina (xinxim de galinha e bobós).

Pimenta-do-Reino
Sabor forte e levemente picante. Pequena e de formato arredondado. Quando imatura tem coloração verde, mas quando madura é vermelha. Originária das florestas equatoriais da Ásia, principalmente Índia. Usada como condimentos, principalmente no tempero de carnes, aves e peixes.

Pimenta-do-Reino Verde
Colhida quando ainda está verde, ou seja, antes de ficar madura. É utilizada em pratos como o steak de filé mignon au poivre vert (pimenta verde em francês).