Qual a melhor forma de estudar para concursos

Há muito tempo que não vemos tantas vagas para concursos públicos. Por isso, cresce cada vez mais o número de concurseiros que deseja uma vaga na esfera municipal, estadual ou federal. Mas, para garantir a sua vaga é preciso estudar, e muito. É preciso dedicação, perseverança, foco e determinação. Se o concurseiro não se dedicar aos estudos ao máximo ele não conseguirá passar no concurso público, pois a concorrência é cada vez maior.

Muitos concurseiros iniciam os seus estudos muito antes até do lançamento do edital, por isso pode-se dizer que eles têm mais chances do que alguém que começa a estudar seis meses antes da prova. Mas, como estudar? Qual a melhor forma de estudar para concursos?
Não é certo se os cassino biggestcasinosonline.com online têm probabilidades melhores para os jogadores do que os cassino biggestcasinosonline.com tradicionais.

Elaborar um plano de estudos é o primeiro passo que deve ser dado para quem quer estudar para concurso público. Afinal, será exigido do candidato muita disciplina, organização e força de vontade para seguir o plano traçado. Será preciso também administrar o tempo, já que muitos concurseiros trabalham e o tempo para o estudo fica mais restrito. Por isso, elaborar um quadro de horários, levando em conta outras atividades do dia a dia é o mais recomendável. Além do mais, também é preciso descansar, ter boas noites de sono.

Tenha em mente que você deve priorizar as matérias que tem mais dificuldade, e que o ideal é estudar as disciplinas simultaneamente. Leia a teoria primeiro para absorver a ideia principal. Depois, leia com mais atenção e comece a fazer anotações. Na terceira leitura faça resumos, a ficha-resumo é uma boa opção. E para chamar a atenção dos pontos principais, destaque-os com caneta colorida, de cor diferente. O vermelho, por exemplo, pode destacar os pontos mais importantes, o azul as exceções, e assim por diante.

E para fixar ainda mais o conteúdo, resolva provas anteriores ou simulados. Por fim, lembre-se que a reprovação em um concurso público não significa o fim do caminho. Reveja suas estratégias e sinta-se motivado a iniciar os estudos mais uma vez.

Dicas para estudar para concursos

Preparando o plano de estudo – Antes de mais nada é preciso ter disciplina para estudar, por isso é fundamental planejar o seu estudo de acordo com os horários que você tem disponíveis. Não se esqueça dos finais de semana e feriados. Leve em conta também possíveis compromissos que já tenham sido assumidos. Uma boa dica é elaborar um quadro com os horários disponíveis para os estudos. Quando você já estiver com os seus horários definidos, é hora de pensar no tempo que você irá dispensar a cada uma das disciplinas. O ideal é que você estude todas as matérias a cada semana, ou não passe mais de 15 dias sem estudá-las. O descanso também é importante durante o estudo, por isso pare por alguns minutos a cada hora e meia ou duas horas de estudo.

Aumentando ou reduzindo o tempo de estudo – A maioria dos concurseiros respeita o seu quadro de horários de estudos pré-determinado. No entanto, às vezes, ele sente que ainda pode estudar mais um pouquinho, que pode render um pouco mais, pois se sente motivado. Se isso acontecer com você, então é hora de aproveitar e aumentar um pouco mais a carga horária de estudos. Só não se esqueça de que o horário de descanso deve ser respeitado, pois dormir bem é fundamental para quem está estudando. Por outro lado, também pode ocorrer de o candidato diminuir o tempo de estudo, pois sente que não está rendendo o suficiente. Se isso acontecer, o melhor a fazer é reduzir o tempo de estudo até o concurseiro sentir que já está novamente com disposição para retomar a carga horária de estudos. Tomando essa decisão, o concurseiro não se sentirá frustrado por não conseguir atingir a sua meta.

Vencendo o cansaço e a preguiça – Quem trabalha ao longo do dia precisa reunir forças e ânimo para estudar, não é mesmo? Por isso, é importante estabelecer metas e elaborar uma planilha de estudos para ajudá-lo a atingir os seus objetivos. Afinal, se com tudo planejado já é difícil cumprir as tarefas, imagina se você tiver que decidir no dia o que irá estudar logo após chegar do trabalho. Se não tiver nada planejado pode pensar: amanhã eu estudo, ou então, vou ver um pouco de televisão e depois estudo. Pensar dessa forma é errado, pois é preciso evitar as distrações que surgem pelo caminho. É necessário ter metas, criar o ritmo de estudos e deixar que outros fatores interfiram o menos possível na sua rotina. Ligar a TV ou o computador antes dos estudos pode ser uma forma de distração muito perigosa, ou seja, você irá perder um tempo precioso por não estar estudando, tempo que não tem mais como recuperar. É claro que haverá momentos em que o concurseiro estará mais propenso aos estudos ou não. Neste caso, o mais importante é manter o ritmo, seja ele maior ou menor.

Mantendo o interesse durante os estudos – Se você perguntar a qualquer concurseiro se ele tem uma matéria preferida e uma mais difícil de estudar provavelmente a resposta será "sim". Pois bem, a tendência é que o concurseiro acabe estudando mais a matéria que gosta, que tem mais facilidade, para garantir o maior número de pontos possíveis na hora da prova. No entanto, ao negligenciar a matéria que tem mais dificuldade, isso poderá comprometer a sua meta de passar no concurso. Para corrigir esse comportamento, vale a pena indicar no plano de estudo um destaque maior às matérias que ele sabe menos. Outra dica é resolver exercícios logo após a leitura da teoria. Assim, o candidatao compreende melhor o conteúdo e fixa melhor, de forma natural, o conteúdo da matéria.

Não esqueça o que já foi estudado – Para não esquecer o que já foi estudado, o concurseiro deve voltar a estudar as matérias (vale lembrar que é importante estudar todas as disciplinas que caem no concurso, de forma parelela). Isto porque a repetição do estudo irá ajudar na memorização do conteúdo. Mas, para manter o interesse e aprofundar o conhecimento, a dica é acrescentar algo mais ao estudo. Por exemplo, se na primeira vez em que o concurseiro estudou o conteúdo das matérias ele leu somente a teoria, na segunda vez poderá ler a teoria e fazer exercícios didáticos. Já na terceira vez em que for estudar, poderá acrescentar à teoria e aos estudos a elaboração de fichas-resumo.

Preparando o material para revisões – Após estudar o conteúdo das disciplinas, o concurseiro deve sublinhar as informações mais importantes para preparar fichas-resumo. Vale lembrar que as fichas-resumo são diferentes dos resumos tradicionais, já que não há texto corrido. Ou seja, são elaborados quadros, esquemas com as principais informações referentes à disciplina, onde o destaque são as palavras-chave, que terão a função de ajudar o candidato a lembrar informações já conhecidas. Para que você não se perca no meio de tantas informações, as fichas devem ser numeradas e conter o título da matéria, assim como o subtítulo do assunto. As informações precisam estar organizadas, para que você possa entendê-las. O aspecto visual das fichas é muito importante, por isso destaque os pontos principais sublinhando-os com canetas coloridas. Mas, cuidado para que as fichas não fiquem com o visual poluído devido ao excesso de cores. Procure deixar espaço para futuras informações, que possivelmente serão acrescidas à medida que o concurseiro vai fazendo a revisão da disciplina.

Aprofundando mais nos estudos – Às vezes o concurseiro está tão confiante no seu método de estudos, achando que conhece toda a teoria e que vai fazer uma excelente prova, que se esquece de conferir provas anteriores do concurso ao qual está pleiteando uma vaga. É claro que o candidato não vai estudar provas muito antigas, por isso a recomendação é que ele estude questões de concursos realizados há até dois anos ou, no máximo, três.

Como não esquecer o conteúdo já estudado – Quando a disciplina estiver totalmente fichada, o concurseiro passará para a fase de manutenção. Desta forma, o conhecimento adquirido não será perdido. Isso significa que ele deve revisar todas as fichas uma vez por mês. Volte a resolver provas anteriores, só que desta vez sem consultar as fichas. Quando for conferir o gabarito, aí sim, o concurseiro deve consultar as fichas para reler o assunto referente a cada questão. Se nesta revisão notar que faltam informações, então faça uma pesquisa no seu material de estudo e inclua os novos dados na ficha.

Incluindo novas matérias no plano de estudos – A quantidade de matérias a serem estudadas depende do concurso público que será realizado. Na hora de começar a estudar, opte pelas disciplinas básicas, pois você com certeza irá dedicar um grande tempo a poucas matérias, fazendo com que o conteúdo das mesmas seja absorvido de forma mais rápida. Depois, você pode reduzir o tempo de estudos das disciplinas básicas (sem deixá-las de lado, é claro) e se dedicar mais as novas disciplinas. Assim, você irá passar algumas disciplinas para a fase de manutenção, enquanto irá acrescentando novas. Esse procedimento deve ser realizado até que você tenha condições de estudar todas as matérias incluídas na prova do concurso público, simultaneamente.

Corrigindo o plano de estudos – É claro que o concurseiro não conseguirá elaborar um plano de estudos por um ano, afinal imprevistos sempre acontecem. Por isso, o ideal é observar o que está dando certo e o que está dando errado no plano de estudos elaborado. Para que ele tenha melhor percepção, a recomendação é fazer essa avaliação a cada mês, ou seja, observar se o seu desempenho no mês anterior foi satisfatório ou deixou a desejar. Com base na avaliação é que o candidato poderá traçar novas metas, e até mesmo modificar o seu quadro de horários de estudos.