Por que sentimos nojo?

Curiosidades3.571 Visualizações

nojo é inerente ao ser humano. Provavelmente você já se sentiu mal, desconfortável quando confrontado com algo que despertou uma sensação de nojeira. Pode ser por uma comida, bebida ou inseto, por exemplo. O fato é que é extremamente comum sentir nojo por coisas ou animais. Mas, por que temos esse sentimento nojento? O que nos faz sentir esse desconforto?

 

Apesar de ser algo que parece sem importância no primeiro momento, sentir nojo ou repulsa serve como um sinal de alerta, que pode surgir quando reagimos a uma a situação que nos provoca desconforto. Afinal, certos tipos de atitudes podem até nos levar a adquirir doenças ou até a morrer. Por isso, podemos dizer também que sentir nojo, apesar de ser desconfortável, é importante para a nossa percepção cotidiana.

 

O sentimento de nojo pode estar relacionado à sujeira, por exemplo. Um caso típico deste sentimento: pegar um alimento que caiu no chão e depois colocá-lo na boca. Muitas pessoas ao presenciarem uma cena destas viram a cara e fazem uma expressão facial que caracteriza que aquela pessoa está completamente enojada.

O nojo também pode ajudar a identificar melhor a sujeira, já que muitas pessoas torcem o nariz ao ver que o local não está tão limpo como deveria. Ou seja, o nojo pode aumentar a nossa percepção e ser um aliado na hora de motivar as pessoas a manterem ambientes mais limpos, seja em casa ou no local de trabalho. E assim, evitar a contaminação por germes ou entrar em contato com toxinas ou outras contaminações.

Mas, em que momento sentimos mais nojo? Isso acontece por causa de um condicionamento cerebral, ou seja, quando a ínsula anterior no cérebro torna-se mais ativa e avisa para o resto do cérebro que aquilo não é agradável. A partir daí mostramos a nossa insatisfação quando somos expostos a comidas, bebidas, insetos ou situações que nos deixam tensos, por exemplo.

 

Às vezes nem é preciso presenciar algo ou sentir um cheiro desagradável para ter a sensação de nojo. Basta nos lembrarmos de uma situação pela qual já passamos para que aquele sentimento de desconforto volte a se manifestar. Neste momento, com certeza você fará uma cara de nojo, ou seja, irá franzir o nariz e colocar a língua para fora em sinal de desaprovação e nojo, é claro.

 

Outra situação que pode influenciar e despertar a sensação de nojeira é se alguém faz uma cara de nojo perto de você. Imediatamente, o seu cérebro dá o sinal de alerta e, com certeza, você irá pensar duas vezes se, por exemplo, vai experimentar aquela iguaria que aparentemente parecia tão apetitosa.

Sentir nojo é, portanto, como se fosse um sinal de alerta. É como se alguém chegasse perto e dissesse: afaste-se do que te incomoda, fique longe. Afinal, o que seria de nós se o nosso cérebro não nos mandasse a mensagem de que a carne está estragada ou que o cheiro do peixe indica que ele não está próprio para consumo? 

Insetos nojentos, mas comestíveis

Dependendo da cultura e dos hábitos alimentares de algumas sociedades, o homem é capaz de comer insetos, como gafanhotos, grilos, lagartas, cigarras, larvas, abelhas, besouros, cupins, tarântulas, formigas e até baratas. Em alguns países, os insetos são considerados iguarias e muitos garantem que a degustação é até saborosa. Já outras pessoas não se incomodam em comer ratos, cobras, carne de cachorro, gato, entre outros.

No entanto, talvez para a grande maioria das pessoas só de pensar na possibilidade de comer algum inseto ou de ver um destes insetos ou carne de animais considerados exóticos sendo vendidos como se fosse o prato principal de uma refeição a sensação de nojo se torna extremamente forte e repugnante. É capaz até de a pessoa vomitar de tão desconfortável que ela fica.

Há pessoas que ficam enojadas antes mesmo de ver o prato de comida na sua frente. Só o fato de saber como a comida é preparada já desperta aquela sensação de estranhamento, desconforto, desconfiança e desaprovação.  Você, por exemplo, já pensou em comer carne de tubarão da Groenlândia, que é tóxica, tem a carcaça enterrada para a putrefação – estado de decomposição de corpos mortos -, passa por várias sessões de congelamento e descongelamento, seca e depois tem cheiro de produto de limpeza? Pois os islandeses adoram.

Assim sendo, a partir do princípio de que rejeitamos a comida antes mesmo de experimentá-la e nem sabemos se ela é gostosa ou saborosa, pode-se concluir que a sensação de nojo está ligada a conceitos prévios. E, portanto, o que é nojento para você pode não ser para outra pessoa. 

O símbolo do nojo: baratas!

As pessoas sentem medo de barata ou sentem nojo ao matá-la. Seja por um motivo ou outro o fato é que as baratas são consideradas muito nojentas e, dificilmente, você irá encontrar alguém que queira vê-la viva, andando pela casa. Há quem suba na cadeira só em ouvir alguém dizendo: olha a barata! Mas, há também quem não fuja delas e arme o bote para matá-la sem dó nem piedade.

 


Barata

 

Mas, é preciso ser rápido, pois elas fogem ao menor sinal de perigo e quando se sentem ameaçadas. Por que elas são tão rápidas? Um dos motivos é que elas possuem pelos ultrassensíveis, e isso faz com que suas antenas captem odores. Além disso, elas possuem espinhos no traseiro que funcionam como um radar, e que são responsáveis por dar informações detalhadas sobre as ameaças em volta. Ou seja, as baratas percebem movimentos sutis do ar e captam informações sobre possíveis ameaças, como localização, tamanho e velocidade. Elas também têm bastante fôlego e podem ficar horas sem oxigênio, já que respiram por 20 aberturas laterais chamadas espiráculos, que levam o ar para o corpo todo.

Além de ser rápido para que a barata não fuja, você deve usar a força para matá-la, já que ela possui uma casca dura que protege o seu interior. Assim, devido ao formato achatado da casca, elas suportam esmagamentos leves e podem não morrer. Por isso, seja firme e mate a barata com força total.

No entanto, ao usar a força para esmagar a barata irá surgir uma massa branca, que nada mais é do que a gordura que protege os órgãos internos. Essa massa branca é que permite que o inseto fique dias sem comer. Muitas pessoas dizem que a hora em que a barata é esmagada é o momento em que mais sentem nojo.

Há mais de 5 mil espécies de baratas na Terra. Elas variam de tamanho, não habitam os mesmos locais (algumas preferem ambientes escuros, outras gostam de ficar em banheiros e cozinhas, etc), e podem viver 1 ano, de 2 a 5 anos ou de 3 a 4 anos, por exemplo.

As baratas são ainda surpreendentes no quesito alimentação. Elas podem ingerir cola, fezes, couro, outras baratas, papel e até cerveja azeda quente, uma de suas iguarias preferida. As baratas se alimentam ainda de restos de comida, e adoram leite seco na boca de bebês que estão dormindo.

Outra coisa que pode fazer com que as pessoas fiquem com mais nojo ainda das baratas é que elas “mordem” gente viva que está dormindo. Mas, se serve de consolo, elas atacam somente as extremidades do nosso corpo como dedão e sola do pé, unhas e palmas das mãos. Como não têm dentes, as baratas usam a mandíbula para raspar as superfícies até deixar buracos doloridos. Que nojo! 

Verdades e mentiras sobre as baratas

Verdades:

  • Você sabia que as baratas sobrevivem sem cabeça? Sim, isso é possível porque elas conseguem ficar até um mês sem comer nada e semanas sem ingerir água, por isso as baratas ainda sobrevivem por até outro mês sem a cabeça. A explicação é que as principais estruturas vitais ficam espalhadas pelo abdômen (incluindo as que permitem a respiração) e, mesmo depois de perderem a cabeça, um gânglio nervoso no tórax passa a coordenar os seus movimentos, permitindo que fujam das ameaças. E como o seu corpo tem um revestimento de células sensíveis à luz, a barata ainda pode localizar e correr para as sombras a fim de se proteger.
  • Você sabia que as baratas estão no chocolate? Segundo a Food and Drugs Administration (FDA), o órgão que faz o controle dos alimentos e remédios nos EUA, uma barra de chocolate comum contém, em média, 8 resíduos de baratas em 100g de chocolate.

Mentiras:

  • Ao contrário do que é dito por aí, as baratas, apesar de resistentes não são capazes de sobreviver a ataques nucleares. 

Chocolate com barata?

Ninguém gosta de ver insetos na comida, não é mesmo? Já foram divulgados casos em que a pessoa comprou um produto, abriu a embalagem e encontrou insetos e até baratas junto ao alimento. Isso é horrível, não? Entretanto, na grande maioria das vezes nós não vemos nenhum tipo de inseto junto aos alimentos, porém isso não significa que eles não estiveram por perto.

 


Barata no chocolate

 

Segundo a Food and Drugs Administration (FDA), o órgão que faz o controle dos alimentos e remédios nos EUA, isso pode acontecer até com uma barra de chocolate. Segundo a agência norte-americana uma barra de chocolate comum contém, em média, oito pedaços de baratas. Mas, como isso é possível?

É claro que o chocolate não tem pedaços de baratas em sua receita, mas assim como todos os alimentos, o chocolate está sujeito à contaminação durante o seu armazenamento e transporte. Como as baratas circulam nos galpões onde o cacau é armazenado, quando este segue para as fábricas de chocolate, os insetos podem ir junto, e aí, acabam sendo moídos junto com o doce.

A agência norte-americana, no entanto, garante que não é preciso entrar em pânico. Segundo a FDA, não há problemas se houverem 60 pedaços de baratas em cada 100g de chocolate. Mas, será que não há problema mesmo? Sim, há um probleminha com relação a pedaços de baratas no chocolate. É que, segundo os cientistas, eles podem causar alergia, coceira, irritação e câimbras em quem já tem alergia a chocolate.

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) é mais rigorosa com relação a quantidade de pedaços de insetos no chocolate: só é permitido um pedaço de inseto por cada 100g do produto.