Tudo sobre a obesidade

A má alimentação, ou seja, o excesso de alimentos gordurosos e a ingestão de refrigerantes associados à falta de exercícios físicos são alguns dos fatores que possibilitam o aumento dos casos de obesidade no Brasil e no mundo. Mas, o que é obesidade? Você sabe tudo sobre obesidade?

 

Uma pessoa é considerada obesa quando há um grande acúmulo de gordura no corpo, ou seja, quando a quantidade de calorias ingerida com a alimentação diária é maior que o total de energia gasta pelo organismo devido às suas atividades do dia-a-dia. Assim sendo, dependendo do resultado, este pode ser positivo ou negativo. Se o salto for positivo, ou seja, a ingestão de alimentos for maior que os gastos, haverá um aumento de peso, mas se o saldo for negativo, com a ingestão de alimentos menor do que os gastos calóricos, a pessoa irá perder peso.

A obesidade afeta milhões de pessoas em todo o mundo, inclusive crianças, sendo considerada uma doença que pode se tornar crônica e de alto risco se a pessoa não levar uma vida saudável. Isto porque podem surgir várias doenças associadas à obesidade, como o diabetes, doenças cardiovasculares (pressão alta), doenças nas articulações, derrame cerebral, insuficiência respiratória, varizes, trombose, entre outras. E, no caso das mulheres, pode ocorrer perda de urina, dificuldades para engravidar ou gravidez de alto risco.

Por isso, emagrecer com saúde, mas com orientação médica e sem fazer dieta por conta própria, é a recomendação para o obeso, já que com o excesso de peso a pessoa pode, inclusive, ter problemas de locomoção. Além disso, antes de emagrecer é preciso descobrir o que está ocasionando o aumento de peso, para então determinar o que deve ser feito para não atingir o grau de obesidade mórbida, por exemplo. 

Causas da obesidade

A obesidade não ocorre somente devido a um ou dois fatores, ela pode surgir por causa de fatores emocionais, orgânicos, ambientais e psicossociais que surgem isoladamente ou em conjunto. Por isso, nem sempre a má alimentação é o grande vilão da história. Confira a seguir as principais causas da obesidade.

  • Aumento da ingestão de calorias.
  • Comer mal e em excesso.
  • Falta de atividade física (sedentarismo).
  • Idade, pois quanto mais velho se fica, mais lento fica o metabolismo. 
  • Filhos de pais obesos apresentam maior predisposição de se tornarem obesos (predisposição genética).
  • Doenças relacionadas com hormônios, como o hipotireoidismo podem levar ao aumento de peso, se não tratadas.
  • A ansiedade, o nervosismo e o estresse podem levar a pessoa a se alimentar de forma compulsiva.

Íncice de massa corporal

Quando alguém quer saber se o seu peso é o ideal, se está acima do peso (sobrepeso) ou se o sobrepeso já atinge o grau de obesidade, o ideal é conferir o IMC, Índice de Massa Corporal. Mas o que é o IMC? Essa sigla é referente ao indicador de gordura corporal que é calculado a partir do peso e da altura de uma pessoa. Assim, se você souber o seu peso e sua altura pode calcular o Índice de Massa Corporal e saber se o seu peso está adequado à sua altura. 

Como calcular o IMC

A fórmula para calcular o Índice de Massa Corporal é: IMC = peso (kg) ÷ altura² (altura (m) x altura (m)).

Confira o exemplo a seguir. 
Pedro tem 83 kg e sua altura é de 1,75 m. Para calcular o IMC, é preciso fazer o seguinte:

Multiplique o valor da altura = 1,75 x 1,75 = 3.0625. 
Depois divida o peso pelo quadrado da altura. IMC = 83 divididos por 3,0625 = 27,10
O IMC de 27,10 indica que Pedro está acima do peso desejado (sobrepeso).

Tatamento da obesidade

O tratamento da obesidade nunca deve ser feito por conta própria, principalmente no que diz respeito a dietas ou a tomar medicamentos sem orientação médica. Mudar o estilo de vida, ou seja, tendo uma alimentação mais saudável e incluindo exercícios físicos na sua rotina é um bom começo para quem quer perder peso. Mesmo porque essa combinação – menor ingestão de calorias e aumento das atividades físicas – provoca redução de peso e facilita a manutenção.

É preciso ainda ser firme e não desistir, mesmo que você demore um pouco mais para emagrecer. Muitas pessoas desistem no meio do caminho, pois não aguentam manter uma dieta equilibrada por um longo período ou então desistem de incluir atividade física em seu dia a dia. Assim sendo, mudar o estilo de vida é o passo inicial, é o que se deve fazer de imediato, antes de optar pela ingestão de medicamentos ou cirurgia.

Em alguns casos, e sempre com orientação médica, é possível tomar medicamentos para a obesidade. No entanto, os remédios vão atuar de forma diferente em cada paciente. Algumas pessoas conseguem controlar o apetite tomando medicamentos para a obesidade, porém os remédios devem estar associados à dieta e atividades física. Mesmo porque estudos mostram que quando se para de usar remédio, o peso volta. Além disso, os remédios podem provocar efeitos colaterais como insônia, aumento da pressão sanguínea, nervosismo e até intestino preso, por exemplo. Por isso, os medicamentos para emagrecer não devem ser a primeira opção, sendo de fundamental importância a mudança nos hábitos alimentares e a inclusão de exercícios no seu dia a dia.

A cirurgia é recomendada quando o IMC é de 40 ou mais. Há dois tipos de cirurgia: a restritiva (banda gástrica ajustável ou balão intragástrico), que reduz o tamanho do estômago (é colocado um anel ou um balão de silicone); e a by-pass, que torna o estômago menor e reduz a absorção de comida pelo intestino (é irreversível).

Assim sendo, o tratamento para obesidade pode ser resumido da seguinte forma:

  • Mude os hábitos alimentares
  • Aumente a atividade física
  • Medicamentos
  • Cirurgia