O que é Dislexia

Quando uma criança demonstra dificuldades de aprendizado, o mais comum é que ela seja chamada de burra. No entanto, essa dificuldade para ler, escrever e soletrar pode estar relacionada com a dislexia. Mas, o que é dislexia?

 

Ao contrário do que muitos possam pensar, a dislexia não é uma doença. Ela é considerada um transtorno genético, de origem neurobiológica, relacionado à linguagem. Por isso, quem tem dislexia tem dificuldade para decodificar o que está escrito, sendo difícil para a criança associar os fonemas às letras. Por causa disso, a compreensão de um texto, por exemplo, fica comprometida. Os disléxicos também encontram dificuldades para fazer cálculos, pois não compreendem os enunciados das questões.

Devido a ocorrência de uma alteração cromossômica hereditária, a dislexia é comum em pessoas da mesma família. Estudos indicam ainda que a produção excessiva de testosterona pela mãe durante a gestação da criança pode influenciar no aparecimento deste transtorno genético.

Talvez não seja fácil chegar ao diagnóstico da dislexia imediatamente, por isso ele é feito por exclusão. Isto porque é preciso descartar primeiro outros tipos de deficiência que podem interferir no processo de aprendizagem de uma criança. São eles: déficit de atenção, hiperatividade, bipolaridade, problemas de visão ou audição, problemas emocionais e psicológicos e escolarização inadequada. Para chegar ao diagnóstico então a avaliação é feita por uma equipe multidisciplinar formada por médicos, fonoaudiólogos, psicólogos, psicopedagosos e neurologistas.

Quanto mais cedo o diagnóstico for estabelecido, melhor, já que a criança que tem dislexia normalmente sofre preconceito pois é rotulada de forma depreciativa, ocasionando reflexos negativos para ela, como baixa autoestima. Além do mais, com o diagnóstico precoce é possível evitar prejuízos no desempenho social e escolar. O ideal é que a dislexia seja identificada na faixa dos 4 ou 5 anos.

A dislexia, no entanto, não impede que as pessoas tenham um futuro brilhante. Há casos de pessoas famosas que contribuíram para a literatura, física e pintura e que foram diagnosticadas com dislexia, como Albert Einstein, Leonardo da Vinci, Thomas Edison e Agatha Christie. Einstein, por exemplo, começou a falar tarde, tinha raciocínio lento, baixo rendimento escolar e só foi alfabetizado aos 9 anos. E isso não impediu que ele se transformasse no maior físico do século 20, tendo desenvolvido a Teoria da Relatividade. Autor do mais famoso quadro da história – Mona Lisa, Leonardo da Vinci escrevia de trás para frente (característica de disléxicos canhotos). Thomas Edison, que inventou a lâmpada incandescente, era considerado mentalmente atrasado pelos professores. Por causa disso, ele passou a ser educado por sua mãe. Já Agatha Christie, autora de mais de 80 livros policiais, não escrevia seus livros de próprio punho, ela ditava as histórias para uma secretária ou usava um gravador.

Sintomas

A fase de alfabetização é o período em que os sintomas da dislexia são mais evidentes. Por isso, os pais e professores devem ficar atentos se a criança apresentar os seguintes sintomas:

  • dificuldade para ler, escrever e soletrar;
  • dificuldade de compreensão do texto;
  • dificuldade para de identificar fonemas, associá-los às letras;
  • dificuldade para decorar a tabuada, reconhecer símbolos e fazer cálculos aritméticos;
  • dificuldades ortográficas devido a troca de letras, inversão, omissão ou acréscimo de letras e sílabas;
  • dificuldade de organização temporal e espacial e coordenação motora.

Tratamento

A cura para o tratamento da dislexia não existe. No entanto, especialistas de várias áreas como fonoaudiologia, pedagogia e psicologia, por exemplo, podem ajudar no tratamento do portador de dislexia. E o distúrbio pode ser corrigido ou atenuado, já que com ajuda, ficará mais fácil ao disléxico superar suas limitações com relação à leitura e escrita. Ou seja, quanto mais cedo começar o tratamento, principalmente quando a criança estiver na escola, melhor, pois os sintomas poderão quase desaparecer. Outra forma de ajudar no desenvolvimento da criança é fazer com que o portador de dislexia estude em lugares que possam atender suas necessidades específicas.

Além do mais o tratamento tem como objetivo preparar o disléxico para lidar com as dificuldades que terá que enfrentar na sua vida.

Transtorno de aprendizagem

A dislexia pode ser considerada um transtorno de aprendizagem, juntamente com o déficit de atenção e o distúrbio de aprendizagem. Veja como identificar os transtornos e quais são os mais comuns entre os estudantes.