O que é Capitalismo?

Capitalismo é um sistema que como o próprio nome já diz, baseia-se no capital, no dinheiro e no lucro. Assim, entram as figuras dos grandes empresários e dos trabalhadores, junto com a crescente busca da produção e a comercialização das riquezas, sempre orientada pelo lucro e não pelas necessidades das pessoas. No sistema capitalista, basicamente tudo é direcionado ao que mais rende e não ao que a população precisa.

Há duas vertentes de ideias sobre o capitalismo, os que são contrários a ele e os que acham que esse é o melhor sistema. Os que são contrários pregam que o trabalhador é remunerado de maneira com que ele consiga sobreviver, e não de acordo com o que produz. A remuneração, que em grande parte das vezes é baixa, faz com que enquanto o trabalhador sobreviva, o empresário lucre e enriqueça. Há uma incessante busca pelo aumento da produção, pois é isso que em um todo fará com que os lucros aumentem. Isso acontece porque quando se calcula o lucro nesse sistema, tem-se como base um todo e não um único produto.

Já os que são favoráveis ao sistema, possuem uma definição com uma entonação bastante diferente. Segundo a filósofa e roteirista americana Ayn Rand, capitalismo pode ser definido como: “O capitalismo é um sistema onde os homens lidam uns com os outros, não como vítimas e executores, não como mestres e escravos, mas como negociantes, através de livres e voluntárias trocas para benefício mútuo. É um sistema onde nenhum homem pode obter qualquer valor dos outros apenas pela força física, e nenhum homem pode iniciar o uso da força física contra os outros. O governo age somente como um policial que protege os direitos do homem; usa a força física apenas em retaliação e apenas contra aqueles que iniciam o seu uso, como criminosos ou invasores estrangeiros. Num sistema de capitalismo total, deve haver (ainda que historicamente nunca tenha havido) uma separação completa entre Estado e Economia, do mesmo modo e pelas mesmas razões da separação entre Estado e Igreja.

É uma maneira utópica de se olhar para o capitalismo, mas os preceitos do sistema eram esses e pregavam uma "igualdade" de oportunidades para todos os homens. O problema é que atualmente o capitalismo não é mais assim e palavras como trabalho escravo, desigualdade e corrupção deturpam os ideais do sistema, oprimindo cada vez mais a maioria em detrimento do enriquecimento da minoria.

Como funciona o capitalismo

A origem do capitalismo

Para entender melhor o que é capitalismo, é importante saber como ele surgiu. Na passagem da idade média para a idade moderna, com o renascimento urbano e comercial dos séculos XIII e XIV, a burguesia surgiu na Europa, tornando-se uma nova classe social. Os burgueses buscavam o lucro através da realização de atividades comerciais. Com essa busca pelo lucro, surgem outros personagens importantes na história desse sistema, os banqueiros e os cambistas. Esses ganhavam seu dinheiro graças à grande circulação da moeda que acontecia, devido à incessante busca de lucro por parte da burguesia. Nesse movimento, começaram a surgir os ideais do capitalismo como a busca pelo lucro, controle dos sistemas de produção, acúmulo de riquezas e expansão dos negócios. 

O período do século XVI ao XVIII é conhecido como “Primeira Fase: Capitalismo Comercial ou Pré-Capitalismo”. É nessa época que começam a grandes navegações e as expansões marítimas européias e nessa fase, a burguesia amplia a sua busca por riqueza. A nobreza sai em busca de ouro, de especiarias, da prata e de matérias-primas que não eram achadas na Europa. É nesse período que chegam a América e começam a explorar as riquezas da terra. Estão presentes como característica marcante desse sistema, o uso de mão-de-obra assalariada, busca dos lucros, relações bancárias, o uso de moeda no lugar do sistema de trocas, o enriquecimento do burgueses e o início da desigualdade social. 

O século XVIII foi marcado pela “Segunda Fase: Capitalismo Industrial”. Nesse século, a Europa passou por mudanças no sistema de produção. Ocorreu a Revolução Industrial na Inglaterra, o que fortaleceu o sistema capitalista. A máquina passou a fazer o trabalho que antes era realizado pelos artesãos e com isso, os empresários donos de fábricas, tiveram um aumento no lucro, graças à produção maior e mais rápida. O preço das mercadorias caiu, mas o desemprego começou e veio acompanhado de salários baixos. Condições de trabalho inadequadas, poluição ambiental e diversos trabalhadores mutilados com as máquinas. A Ásia e a África foram exploradas tanto em suas riquezas naturais, quanto na mão de obra de sua população que foi escravizada, humilhada e maltratada.

Terceira Fase, a do Capitalismo Monopolista Financeiro e atualidade

A Terceira Fase, a do Capitalismo Monopolista Financeiro, teve início no século XX. Ocorreu o grande crescimento do sistema bancário e a busca incessante por lucro, riqueza, bens e patrimônios continuou. Essa terceira fase é aproximadamente o que ocorre nos dias atuais. Todo o lucro e o capital circulante, passa pelo sistema financeiro. 

Atualmente, a globalização fez com que fosse possível que as grandes empresas e corporações produzissem os seus produtos nos mais diferentes lugares do mundo, o que diminuiu muito o custo de produção. O que é produzido é vendido não somente no local, mas em diversos países, garantindo um amplo mercado consumidor, o que mantém o mercado ativo e em constante expansão. A informatização permite a circulação da moeda, ou melhor, de valores, de maneira imediata, movimentando muito rapidamente a economia de todos os países. A lucratividade da indústria continua, mas sem dúvida, quem mais lucra atualmente em todo esse sistema, são os bancos, com grande acúmulo de capital e é por isso que se pode dizer que hoje vemos exatamente o que aconteceu na terceira fase do capitalismo, no século XX, quando o sistema bancário começou a lucrar e a enriquecer rapidamente e não na segunda fase em que as indústrias é que detinham o maior lucro.

Essa mudança caracteriza o capitalismo financeiro, que corresponde a um tipo de economia capitalista em que o grande comércio e a grande indústria são controlados pelo poderio econômico dos bancos comerciais e outras instituições financeiras.

Problemas do Capitalismo na atualidade

Já citamos que a desigualdade social é um dos maiores problemas do capitalismo. Riqueza na mão de poucos, enquanto o a maioria serve de mão-de-obra e de mercado consumidor, com uma enorme parcela da população mundial vivendo em estado de pobreza, quando não de miséria absoluta. Outros problemas que o capitalismo traz são a degradação ambiental, já que a produção em massa utiliza muitos recursos naturais e devolve uma enorme poluição. Os reflexos disso são aquecimento global, elevação dos oceanos, mudanças climáticas, escassez de água entre muitos outros. 

Mas o principal problema do capitalismo é o rumo que o sistema tem dado para a sociedade moderna. O objetivo máximo do capitalismo é o consumo e durante décadas foram usados uma série de artifícios para que as pessoas consumam cada vez mais, muitas vezes sem necessidade. É o chamado consumismo, ou sociedade de consumo.

A mídia é maior aliada desse sistema, veiculando incessantemente anúncios publicitários que influenciam os consumidores, que de maneira inconsciente absorvem essa programação e compram mais, de forma a manter o fluxo contínuo do sistema capitalista. Infelizmente, esse processo articulado pelo sistema influenciou as pessoas de uma forma tão forte que as transformou em consumidores desregrados. Essa necessidade infundada por adquirir bens materiais está gradativamente acabando com os valores humanos e o meio ambiente. O individualismo está cada vez mais exacerbado e acabando com as relações humanas básicas como solidariedade, amizade e valor ao próximo. Ao longo da história, talvez o capitalismo seja o sistema que mais deu certo e direcionou a humanidade em um progresso dinâmico e acelerado, mas o que se observa é que atualmente esse sistema precisa de uma manutenção e atualização de valores e fundamentos básicos.