Mega – o novo Mega Upload

Em 20 de janeiro de 2013, Kim Schmitz, que agora se chama Kim Dotcom, fundador do megaupload.com, lançou um novo site de compartilhamento de arquivos chamado Mega. Em pouco tempo o site atingiu a marca de um milhão de usuários. Mas, o que o Mega tem de atraente?

 

O site de compartilhamento de arquivos oferece aos novos usuários 50 gigabytes (GB) de armazenamento gratuito, acesso através do celular, serviços de e-mail e de nome de domínios e mensagem instantânea. Outros três pacotes de armazenamento são oferecidos e que ficam entre 400 GB e 8 Terabytes (TB). Neste caso é preciso pagar um valor mensal, que varia de US$ 26,63 a US$ 39,95.

 

Para conferir o site de compartilhamento de arquivos, acesse mega.co.nz. O site conta com servidores em diversos países. Para utilizar a sua conta pessoal, o usuário deve informar seu nome, e-mail e uma senha, e aceitar os termos de uso do serviço. Após a confirmação do Mega, o usuário já pode começar a usar as funções de administração de arquivos.

Segundo Kim Dotcom, o site possui um moderno e sofisticado sistema de criptografia que permite que os usuários façam o download de arquivos sem que os administradores do site tenham acesso ao conteúdo que está sendo baixado. Ou seja, somente os usuários terão a chave de decodificação para abrir o conteúdo, que inclui, por exemplo, filmes e música, sem que os administradores tenham uma cópia. Desta forma, os usuários poderão controlar a sua conta e compartilhar o arquivo com quem quiser.

O fato de os administradores do site não terem acesso aos arquivos que estão sendo acessados e compartilhados, significa que, teoricamente, eles não possam ser responsabilizados pelo conteúdo que está sendo distribuído, e por isso, não estejam infringindo a lei de direitos autorais de propriedade industrial. Para Kim Dotcom, o novo serviço de compartilhamento de arquivos está dentro da lei.

Quando lançou o Mega, Kim Dotcom anunciou que estava desenvolvendo um novo projeto, o Megakey. Segundo ele, o novo produto pretende revolucionar a publicidade pela internet.

A festa de lançamento do Mega foi na Nova Zelândia, onde está morando Kim Dotcom (em liberdade condicional). Assista ao vídeo:

Estados Unidos querem julgamento de Kim Dotcom

O lançamento do site Mega ocorre um ano após Kim Dotcom ser detido juntamente com outros três sócios pela polícia neozelandesa, em resposta a um requerimento do FBI, a polícia investigativa dos Estados Unidos. Seus bens e contas foram confiscados e o site mega upload, criado em 2005, e com sede em Hong Kong, foi fechado pelos Estados Unidos.

De nacionalidade alemã, Kim Dotcom é acusado de violação de direitos autorais pelos Estados Unidos, mais precisamente crimes de pirataria informática. Os EUA pedem a sua extradição para julgá-lo no país. Atualmente, ele se encontra em liberdade sob fiança na Nova Zelândia, país onde vivia no momento de sua detenção. O processo de extradição solicitado pelos Estados Unidos já foi adiado duas vezes e agora uma nova audiência está prevista para agosto de 2013.

Os Estados Unidos acusam Kim e outros três sócios de terem causado prejuízo de US$ 500 milhões à indústria do cinema e da música por violação dos direitos autorais de propriedade intelectual. Durante o funcionamento do site Mega upload, eles teriam lucrado 175 milhões de dólares por oferecerem cópias piratas online de filmes, programas de televisão e outros conteúdos.

Mega viola direitos autorais

Mega

Ok, vamos ser honestos. O Mega nada mais é que uma tentativa de Kim Dotcom de reviver o Mega Upload mas com alguns serviços novos e outros "renomeados". Depois de seu lançamento o portal já recebeu 150 notificações por causa de violação de direitos autorias. As notificações vêm de diversos países.

Ira Rothken, advogado que representa Dotcom nos EUA, deu uma entrevista onde disse que o Mega reagiu prontamente às acusações e "não quer que seus serviços de armazenamento sejam usados para propósitos ilegais". Sim, claro.

A ironica de Dotcom vai um pouco mais além. A data de lançamento do site Mega coincindiu com o aniversário de um ano da operação conjunta do FBI e da polícia neozelandesa contra Dotcom e seu portal Megaupload na mansão do hacker em Auckland.

Três sócios de Dotcom também foram presos pelas autoridades no fechamento do Megaupload. Seus bens foram confiscados e suas contas congeladas. Outras prisões foram realizadas na Europa (colaboradores e outros envolvidos).

Nas acusações americanas consta que o Megaupload causou mais de US$ 500 milhões em perdas à indústria da música e do cinema ao infringir direitos autorais. Ainda segundo as acusações os lucros com essas atividades geraram mais de US$ 175 milhões ao Megaupload.