Fraqueza – anemia, depressão ou hormônios?

Dependendo do dia da semana, do trabalho que realizamos, das preocupações do dia a dia, das noites mal dormidas e da má alimentação é muito normal sentirmos fraqueza e, às vezes, até um pouco de tontura. No entanto, se essa sensação persistir por muitos dias, sem causa aparente, pode ser que haja algum problema de saúde mais sério, como depressão, anemia e até problemas hormonais.

 

Para chegar ao diagnóstico correto é preciso que o médico investigue profundamente o que pode estar causando essa sensação de desânimo, já que não é nada fácil identificar as possíveis causas da fraqueza. No entanto, antes de saber a causa exata da fraqueza é possível cuidar da saúde mantendo três hábitos muito simples, mas muito saudáveis: manter uma dieta equilibrada, beber muita água para evitar desidratação e dormir bem.

Ao manter uma dieta equilibrada com a ingestão de carboidratos, proteínas, frutas, legumes e verduras, o seu organismo se mantém forte e disposto e, por isso, pronto para enfrentar as atividades do dia a dia. Para evitar tontura e fraqueza nada melhor do que manter o corpo hidratado, portanto beber pelo menos 2 litros de água por dia e comer frutas que podem hidratar o corpo, como melancia, tangerina, maçã e laranja é uma ótima dica para quem deseja acabar com a sensação de mal estar.

Uma boa noite de sono também pode deixar a pessoa mais relaxada e disposta no dia seguinte. Normalmente, quem dorme mal durante a noite acorda de mau humor, irritada, sem muita vontade para cumprir as suas obrigações diárias, seja na escola ou no trabalho. Por isso, dormir 8 horas por dia é essencial para quem deseja acordar bem disposto no dia seguinte.

 

Problemas do sono como apneia e insônia também podem contribuir para o estado de fraqueza, por isso é preciso investigar as causas e saber por que a pessoa está tendo problemas para dormir. O primeiro passo para ter uma boa noite de sono é evitar alimentos que tenham cafeína, desligar as luzes do quarto, e não deixar a televisão ligada antes de dormir.

Praticar atividade física é outra recomendação para quem apresenta apatia e desânimo, já que a endorfina liberada durante os exercícios provoca sensação de prazer, ajudando, portanto, quem está triste ou sofre de depressão. Aliás, fazer exercícios pela manhã é altamente indicado, pois a pessoa já se sente mais disposta para enfrentar os problemas que podem surgir ao longo do dia. 

DEPRESSÃO

Os sintomas de depressão podem ser difíceis de serem diagnosticados logo no início. No entanto, se a pessoa sente uma tristeza profunda, um vazio por dentro, ou até mesmo falta de motivação, está na hora de procurar ajuda médica. Se manter distante de amigos e familiares pode indicar que algo está errado. Perder o interesse pela vida, pelo seu trabalho, pelas suas atividades de lazer também são sintomas que merecem um pouco mais de atenção.

A depressão é muito mais que tristeza e pode fazer com que a pessoa não encontre mais significado para a vida, pois se sente apática, com sensação de vazio constante. Os sentimentos são intensos. A pessoa pode se sentir sem esperança, desamparada e não consegue enxergar qualquer alívio. Ou seja, não sente prazer algum no que fazem e na vida que levam. Em casos mais graves, a pessoa pode pensar em suicídio. 

ANEMIA

Nem sempre quem está com anemia percebe que algo está errado. No entanto, um exame de sangue pode indicar se a pessoa está ou não com anemia e o grau em que ela se encontra. Ou seja, a anemia ocorre quando a quantidade de hemoglobina no sangue está abaixo do normal. Essa deficiência pode ser causada pela falta de nutrientes como zinco, ferro, proteínas e vitamina B12. Por isso, é importante consumir alimentos que tenham esses nutrientes, principalmente o ferro, pois ele atua na fabricação das células vermelhas do sangue e no transporte do oxigênio para as células do corpo.

A anemia pode ocasionar fraqueza e desânimo. Entres os outros sintomas da anemia, devido a carência de ferro, está a apatia, falta de apetite, fadiga generalizada, menor disposição para o trabalho e dificuldade de aprendizagem nas crianças. 

O tratamento da anemia depende da perda sanguínea e gravidade do quadro. Quando a anemia é menos grave (perda de sangue lenta), suplementos de ferro, sulfato ferroso, ácido fólico ou de vitamina B12 podem resolver. Em casos graves transfusões de sangue são recomendadas.

PROBLEMAS HORMONAIS

Os hormônios são essenciais para desempenhar funções metabólicas, por isso quando ocorre alguma alteração, seja no homem ou na mulher o organismo sofre as consequências.

Os hormônios femininos são capazes de provocar algumas revoluções no corpo das mulheres. Alterações de humor são constantes, principalmente quando a mulher está no período de tensão pré-menstrual (TPM). Aliás, nas mulheres, a anemia é mais comum quando a perda de sangue é mais intensa durante a menstruação. Irritabilidade, depressão, ansiedade e raiva também podem ser considerados sintomas de problemas hormonais.  

Problemas de tireoide (hipo ou hipertireoidismo), gravidez e menopausa também mexem com os hormônios femininos. As alterações hormonais ainda podem ser responsáveis pelo excesso ou diminuição de fluxo menstrual ou por períodos menstruais irregulares e até mesmo pelo ganho ou perda de peso sem causa aparente.

Nos homens, as alterações homonais também existem. O desequilíbrio hormonal pode, por exemplo, afetar a libido, ou seja, o desejo sexual do homem, podendo levá-lo à disfunção erétil. Quando isso acontece é porque há baixo nível de tosterona e alto nível de prolactina. A infertilidade masculina também pode estar associada aos problemas hormonais.

A triiodotironina, o famoso T3 e a tiroxina, como também é conhecido o T4, agem praticamente em todo o organismo. No caso do sistema muscular-esquelético, pele, cabelo e unhas quando estão em níveis normais eles regulam a síntese de proteínas na célula, essencial para o crescimento e desenvolvimento dos músculos e da massa óssea. Mas quando ocorre o hipotireoidismo (a menor produção de proteínas pelo organismo), fraqueza, dores musculares, cãibras e diminuição da massa óssea ocorrem. Há queda de cabelo, as unhas ficam quebradiças e a pessoa fica "inchada", com dificuldade de contração e de relaxamento muscular.