Como um vulcão entra em erupção

Ciência11.014 Visualizações

Em março de 2010, um vulcão de nome impronunciável Eyjafjallajokull, no sul da Islândia, provocou um caos nos principais aeroportos da Europa. Isto porque os aviões ficaram dias impedidos de levantar voo por causa da grande nuvem de cinza e fragmentos de rocha expelidos pelo vulcão ativo, que prejudicaria a visibilidade dos pilotos e também poderia fazer com que parassem os motores das aeronaves, causando acidentes.

 

Esse vulcão é um dos maiores da Islândia, e já havia entrado em erupção outras cinco vezes. Situado em uma região vulcânica ativa, no país acontecem erupções relativamente frequentes, apesar de a maioria ocorrer em áreas pouco habitadas. 

Em todo o mundo há cerca de 840 vulcões ativos. Cerca de 13% deles ficam no Japão, outro país que possui intensa atividade vulcânica. Do total de 110 vulcões existentes, 47 são monitorados diariamente, ou seja, 24 horas por dia. Muitos desses vulcões estão adormecidos, no entanto, eles podem despertar e voltar a ficar ativos por um curto período de tempo. Um vulcão é considerado ativo quando a sua última explosão aconteceu há menos de 10 mil anos.

 

Mas, afinal de contas, o que é um vulcãoComo um vulcão se formaComo um vulcão entra em erupção?

O que é um vulcão

O vulcão é uma estrutura geológica localizada na crosta terrestre. Quando está ativo, ou seja, em erupção, o vulcão solta magma, cinzas, gases (carbônico e enxofre) e poeira na atmosfera através de falhas na crosta. Os vulcões têm formato cônico e montanhoso, e apresentam perigo para quem mora próximo a eles. 

Normalmente, eles se formam juntos às margens das placas tectônicas. Quando essas placas se movimentam, entram em choque, parte das rochas se funde, e aí surge o magma (material que pode chegar a mais de 1 000 graus C). Em alguns casos, o vulcão em erupção pode provocar pequenos sismos, ou seja, terremotos na região.

Como o vulcão nasce

Quando o vulcão está ativo, a recomendação é que as pessoas que moram próximo saiam de suas casas, pois os gases lançados são tóxicos e as lavas podem atingir as residências. Apesar do perigo devido ao lançamento de lavas incandescentes, o solo onde ocorre a erupção vulcânica é excelente para a agricultura. Isso porque as cinzas e a lava, depois que esfriam funcionam como adubo. Por causa do solo fértil, populações ignoram o perigo que é viver aos pés de um vulcão e se instalam à volta deles. 

COMO UM VULCÃO ENTRA EM ERUPÇÃO

 

As explosões dos vulcões podem ser tão violentas que podem até provocar o aumento de ondas no mar. Foi o que aconteceu em 1883, na ilha de Krakatoa, na Indonésia. Cidades e aldeias foram devastadas pelas ondas do mar e milhares de pessoas morreram. 

As cinzas dos vulcões também podem provocar alterações na temperatura da Terra. Isso porque a poeira lançada na atmosfera pode bloquear os raios do Sol e, consequentemente, provocar queda de temperatura e afetar o clima do planeta.

Mas como os vulcões entram em erupção? A reposta é simples: gás. Sim, é o gás que fica preso no interior do magma, e não o magma em si, que acaba forçando uma erupção. Os gases encontrados dentro do magma incluem vapor d'água, dióxido de carbono, dióxido de enxofre, sulfeto de hidrogênio (que tem o cheiro de ovo podre), cloreto de hidrogênio, e outros ácidos bastante fortes.

O magma, que são rochas derretidas pelo calor das profundezas do manto, fica sob muita pressão e seus gases ficam dissolvidos no líquido. Pense em como fica uma garrafa de refrigerante fechada depois de sacudida. O magma derretido é menos denso que a rocha sólida e por isso ele sobe através de fissuras no manto superior rígido. O magma continua então derretendo pontos fracos na litosfera até criar uma câmara que permite que mais magma suba.

Essas câmaras são verdadeiros infernos em ebulição. A pressão e o calor são intensos, o magma se movimenta o tempo todo. Parece uma panela com água fervendo. O magma fica mais espumoso à medida que perde pressão, e as porções repletas de bolhas ficam suspensas no topo da câmara. O que acontece depois depende da viscosidade do magma.

Se o vulcão entrar em erupção e o magma for lançado para a superfície, ele passa a ser chamado de lava. Existem dois tipos de magma, o basáltico e o granítico. O basáltico produz uma lava muito quente e sem muitos gases, escorrendo com facilidade. Já o granítico é rico em sílica, sendo mais denso. Assim que entra em contato com a superfície ele endurece e impede a passagem do resto do magma, o que gera as erupções explosivas.

Prever as erupções é o grande desafio de quem estuda os vulcões. Por isso, são usados aparelhos específicos para verificar se eles estão soltando mais gases do que o normal. No entanto, normalmente, antes da erupção, há tremores de terra e emissão de gases de enxofre, que têm um cheiro bem característico (parecido ao de ovo podre). 

TIPOS DE VULCÕES

Existem cinco tipos de vulcões no mundo: estratovulcões, vulcão-escudo, vulcão cones de escórias, vulcão caldeiras ressurgentes e vulcões submarinos.

  • Estratovulcões – vulcões com muita atividade. Exemplos: Monte Fuji, no Japão; Mayon, nas Filipinas; Teide, na Espanha; Cotopaxi, no Equador; e Monte Rainier, nos Estados Unidos. 
  • Vulcão caldeiras ressurgentes – os maiores vulcões que existem com o tamanho relativo a 15 e 100 km².
  • Vulcão-escudo – vulcões muito quentes e que expelem lavas em grande quantidade. Exemplo: no Havaí e na Islândia. 
  • Vulcão cones de escórias – são menores vulcões que existem e que expelem lava em pouca quantidade.
  • Vulcões submarinos – vulcões que ficam embaixo da água. Exemplo: vulcão da Serreta, no Arquipélago dos Açores. 

VULCÕES NO BRASIL

Vulcão em erupção

Atualmente, no Brasil, não existem vulcões. No entanto, há milhões de anos atrás, o país tinha vulcões, pois estava localizado sobre placas tectônicas. Hoje, o Brasil já não está mais na zona de perigo. 

De acordo com estudos, os vulcões iam da Amazônia até Santa Catarina. O mais antigo vulcão descoberto no Brasil tem cerca de 1,89 bilhão de anos, e estava localizado na Bacia Amazônica, sobre o Amazonas, Mato Grosso, Pará, Roraima, indo até Venezuela e Suriname. 

Ilhas oceânicas também surgiram devido às atividades vulcânicas. Destaque para Fernando de Noronha (vulcões submarinos, com 4 mil metros de profundidade), Trindade e Penedo de São Pedro. 

Outra região que também teve atividade vulcânica foi Poços de Caldas e Araxá, em Minas Gerais. São Sebastião, em São Paulo, Itatiaia e Cabo Frio, no Rio de Janeiro, e Lajes, em Santa Catarina também registraram atividade vulcânica há milhões de anos atrás. 

VULCÕES MAIS ATIVOS NO MUNDO

Os vulcões já foram tão devastadores que cidades inteiras desapareceram. Foi o que aconteceu com as cidades italianas de Pompeia e Herculano, que foram soterradas pelas cinzas e lavas expelidas pelo vulcão Vesúvio. Milhares de pessoas morreram soterradas ou intoxicadas pelos gases do vulcão. Até hoje em Pompeia existe um museu a céu aberto com os restos da cidade e até pessoas petrificadas.

Pessoas petrificadas em Pompeia

Confira a seguir alguns dos vulcões mais ativos no mundo.  

  • Tungurahua, Equador – a força das suas explosões é capaz de gerar tremores de terra intensos na região.
  • Kilauea, Hawai – é um dos vulcões mais mansos, por isso é bastante visitado, mas ainda em atividade.
  • Rabaul, Papua Nova Guiné – é um dos mais perigosos de Papua Nova Guiné.
  • SakuraJima, Japão – um dos mais ativos do Japão, país que concentra uma grande quantidade de vulcões.
  • Etna, Itália – o mais alto vulcão ativo da Europa.