Inseticidas e repelentes – como fazer e como usar

Dicas Rápidas1.343 Visualizações

O verão é a estação do ano mais aguardada no Brasil, afinal pode-se aproveitar o sol em abundância, ir à praia com frequência, usar roupas mais leves, praticar esportes ao ar livre, enfim, é a estação dos sonhos para muita gente. No entanto, infelizmente, ela também traz alguns incômodos como a proliferação de mosquitos e insetos que surgem em maior número nas cidades.

Esses seres tão pequenos que se alimentam de sangue incomodam muito. Eles picam a pele sem que se perceba, e logo depois começa uma coceira que parece não ter fim. Alguns chegam a zunir no ouvido, e eles voam e somem das nossas vistas tão rápido que é difícil matá-los. Por isso, para evitar que pernilongos, mosquitos, borrachudos, pulgas ou carrapatos incomodem crianças e adultos, o melhor é comprar repelentesinseticidas ou repelente natural à base de citronela. Mesmo porque alguns desses animais podem transmitir doenças como dengue, malária, febre amarela e leishmaniose. E ninguém gosta de ficar doente, não é?

Mas, por que será que os mosquitos mordem mais algumas pessoas do que outras? A explicação é que eles são atraídos por uma combinação de odores, como transpiração e perfumes. Por isso, para mantê-los afastados o ideal é comprar inseticida ou repelente que terão o objetivo de mudar o odor do nosso corpo e fazer com que os insetos se afastem de nós.

Nesse momento você deve estar se perguntando: mas, qual é a diferença entre repelente e inseticida? Como escolher o melhor produto? Será que o repelente para mosquito é prejudicial à saúde de crianças e adultos? A seguir, você encontra as respostas para suas dúvidas. 

Repelentes

Como o próprio nome sugere os repelentes não têm a função de matar os insetos, e sim, de repeli-los, ou seja, fazer com que eles se mantenham afastados do nosso corpo por um período limitado, impedindo-os de nos picar. Não é possível, porém, precisar por quanto tempo a sua pele estará protegida da picada do mosquito, já que esse período  depende de fatores como o tipo de substâncias químicas que compõem o produto, a umidade, a temperatura, a sudorese ou o tipo de pele da pessoa. O contato com a água também altera o tempo de proteção.

Repelente

No mercado podem-se encontrar três tipos de repelentes: spray, creme (loção) ou gel. Assim sendo, a escolha será feita pelo usuário de acordo com o seu tipo de pele. O repelente em spray é mais fácil de usar, pois pode ser aplicado em todo o corpo. No entanto, é preciso ter cuidado com o rosto, para que o produto não respingue nos olhos. Se isso ocorrer, é preciso lavar os olhos com água abundante. Os repelentes em formato de creme ou loção agem como hidratantes e, por isso, deixam a pele macia e hidratada. Quem tem pele menos hidratada e crianças podem optar por este tipo de repelente. Já os géis são indicados para peles oleosas e áreas extensas do corpo.

Na hora de escolher o repelente, muitas pessoas optam pelo produto mais barato. No entanto, este critério não é o mais indicado na hora de fazer a compra, já que alguns repelentes podem causar alergias respiratórias, por exemplo. Por isso, uma das principais recomendações é escolher produtos registrados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

Lembre-se que, apesar de ser preparado para não causar danos à saúde, o repelente pode desencadear processo alérgico. Por isso, o ideal é testar o produto em uma pequena área do corpo, como o antebraço. Se não houver nenhuma reação na pele, então não há problemas.

É possível passar protetor solar no mesmo dia em que passar repelente. No entanto, o mais indicado é aplicar o protetor solar meia hora antes do repelente. Isto porque se os dois forem passados na pele em sequência, um irá interferir na eficiência do outro, por isso, a recomendação é passar o protetor primeiro e, em seguida, o repelente.

Repelentes que emitem ondas de ultrassom ou eletromagnéticas também podem ser comprados. Os elétricos, no entanto, só funcionam em ambientes fechados, e pode ser necessário mais que um aparelho para cobrir toda a área da residência. E para que os insetos saiam do cômodo é preciso haver uma porta ou janela aberta. Já para os repelentes de tomada, a recomendação é que eles devem ser ligados 2h antes de dormir, e que a tomada esteja afastada pelo menos 2 metros da cama.

Dicas para escolher e aplicar repelente

Dicas repelente

  • Só compre produtos de marcas conhecidas;
  • Quando for comprar um repelente, escolha produtos registrados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA);
  • Antes de comprar o repelente verifique o princípio ativo do produto, ou seja, a composição química, como o nível de concentração Deet (dietiltoluamida), já que ocomposto orgânico pode causar alergias respiratórias em altas concentrações;
  • Os repelentes utilizados em crianças (a partir dos 2 anos) e adolescentes não podem conter mais do que 10% do Deet. Com 11% de concentração, repelentes com Deet podem ser usados por crianças acima de 12 anos de idade. Já nos repelentes para adultos, a concentração não pode ser maior do que 30%;
  • Consulte o pediatra antes de usar repelentes em bebês de menos de 6 meses;
  • Se for usar repelentes em bebês, escolha os produtos com formulação atóxica e que não contenham álcool;
  • Cuidado com repelentes que afirmam serem de uso coletivo da família, já que eles podem não ser indicados para crianças abaixo dos 12 anos;
  • Cuidado para não direcionar o repelente na direção dos olhos e da boca;
  • Antes de aplicar o repelente em crianças, faça o teste para ver se ela é alérgica ao produto. Basta aplicar um pouco do produto em uma pequena área do braço da criança;
  • A loção repelente pode ser passada no lado externo da roupa da criança. No entanto, é preciso ter cuidado para não aplicar em tecidos que possam ser colocados na boca;
  • Os repelentes não devem ser aplicados por baixo das roupas, pois aumenta a penetração do produto na pele, podendo ocasionar irritação na pele;
  • Eles podem ser aplicados antes de entrar na água ou na piscina;
  • Espalhe o repelente de forma homogênea por todo o corpo, inclusive nas orelhas;
  • Repelentes para crianças e adultos são diferentes e devem ser aplicados até duas vezes por dia;
  • No caso de alergia a repelentes, o melhor é optar por repelentes naturais como velas e incensos com citronela. Usar mosquiteiro também é uma boa alternativa;
  • A versão de repelente em spray ou aerossol não é recomendada para crianças, pois o produto atinge facilmente as narinas e a boca, podendo provocar alergia respiratória;
  • O uso de repelentes é contra indicado em feridas e machucados.

Repelentes naturais

Além de os repelentes serem feitos a partir de substâncias químicas sintéticas, eles também podem ser feitos de produtos naturais, como a citronela. É possível encontrar velas e incensos com essências à base de citronela. Mas, apesar de velas e incensos não serem nocivos à saúde, o seu efeito repelente é muito suave e, por vezes, não alcança o efeito desejado por muito tempo.

Outra opção é o óleo essencial de citronela. No entanto, o efeito não é muito duradouro. Mas, por serem muito fortes, podem causar reação alérgica, por isso não devem ser usados diretamente na pele de bebês e crianças pequenas.

É possível encontrar ainda pulseira de citronela à venda no mercado. Segundo a ANVISA, ela tem eficiência garantida por até 120 horas. No entanto, é preciso ter cuidado, pois não se deve colocar a pulseira na boca nem chegá-la aos olhos. Portanto, é preciso atenção redobrada no caso de as crianças usarem a pulseira.

Outro tipo de repelente natural são as telas e redes mosquiteiras. Se bem usados eles se mostram bastante eficazes. Para o perfeito uso deles, o ideal é que a estejam bem vedados para, assim, impedirem a entrada de mosquitos. Para bebês pequenos, os mosquiteiros são uma boa opção. Só tenha certeza de que não há mosquitos dentro das telas ou das redes. Para mantê-los limpos, o ideal é lavá-los com frequência para não acumular pó.

Repelente caseiro

500 ml de álcool líquido
10 gramas de cravo da índia e
100 ml de óleo corporal

Demora 4 dias para ficar pronto, mas resolve:

misture o álcool e o cravo em um recipiente fechado. Não pode ser transparente pois a luz não pode atravessar. Durante os 4 dias que ele levará para ficar pronto você deve agitar a mistura 2 vezes por dia. Depois dos 4 dias coe para remover os cravos. Adicione óleo para o corpo e misture bem novamente. Pronto! Agora é só usar. Você pode aplicar várias vezes ao dia, principalmente se transpirar muito.

Inseticidas

Ao chegar o final do dia, os mosquitos indesejáveis começam a surgir. Para evitar que eles perturbem o seu descanso e o seu sono você pode optar pela compra de inseticidas. Entre as opções de inseticidas estão os produtos em aerossol (spray) ou tomada.

Os inseticidas em aerossol (spray) matam os mosquitos que estão no local. Por terem ação imediata, eles atuam por um curto espaço de tempo. Devido ao maior grau de toxidade, estes repelentes não são recomendados em ambientes onde estejam crianças abaixo de 2 anos, e nem, obviamente, para quartos de bebês.

Inseticida

Por conterem em sua composição álcool, e ser tóxico, muitos pediatras não indicam os inseticidas em spray para quem tem filhos de até 12 anos. Isto porque os inseticidas podem atingir as vias respiratórias, e irritar o nariz e a garganta. Além de causar reações nos olhos.  

No entanto, se for inevitável o uso de inseticidas em spray, o melhor é que após a aplicação as pessoas fiquem do lado de fora do cômodo ou da casa. A medida é tomada para que as pessoas não inalem o inseticida que pode causar danos ao aparelho respiratório.

Se houver necessidade de dedetizar o local onde moram, é importante que os moradores respeitem o tempo que devem ficar longe da casa, e que é determinado pela empresa dedetizadora. Isto porque, segundo pneumologistas, a inalação de inseticidas pode levar a uma doença mais rara, chamada de pneumonia de hipersensibilidade.

Além de preservar a saúde de crianças e adultos, as pessoas têm que pensar em seus bichos de estimação. Os animais, portanto, devem ficar longe dos locais onde foi aplicada uma quantidade grande de inseticida.

Além dos inseticidas em spray, há ainda os inseticidas de tomada, líquidos ou em pastilhas. Eles são considerados eficazes em ambientes fechados. No entanto, eles devem ser evitados no quarto do bebê. Mas, se for inevitável a recomendação é que a tomada, por exemplo, onde será colocado o inseticida esteja bem longe do berço do bebê. Antes, porém, a mãe deve consultar o pediatra para ver se ele libera o aparelho no quarto. 

Dicas para usar inseticidas

  • Siga as instruções do rótulo
  • Mantenha o produto longe das crianças
  • Após passar o produto, deixe o quarto ou a casa arejados
  • Cuidado para não direcionar o inseticida para alimentos, pratos e utensílios
  • Quando passar o inseticida na parte externa da casa, feche as janelas e desligue o ar condicionado. Desta forma, você evita que o produto entre em casa. 

Inseticidas caseiros

Alho macerado: amasse 10 dentes de alho em 2 litros de água. Espere 13 dias e adicione mais 20 litros de água. Ótimo para pulverizar plantas atacadas por pulgões.

Eucalipto: Quando armazenar grãos coloque folhas de eucalipto junto. Isso previne a entrada de insetos.

Coentro: Misture 1 litro de água com 200 gramas de folhas de coentro. Bata no liquidificador e pulverize as plantas. A mistura é ótima para combater pequenos aracnídeos e pulgões.

Manjericão: Pegue100 gramas de folhas de manjericão, amasse bem e misture com 1 litro de água. A mistura serve contra mosquitos e moscas.