As 10 lições que Steve Jobs deixou

Steve Jobs já foi chamado de gênio, visionário, alienígena e outros adjetivos por conta de seu toque de Midas. O fato inegável é que o cara tinha talento inigualável e inesgotável para os negócios. Ele mudou a vida de muitas pessoas e continua sendo inspiração para muitas outras.

O fundador da Apple deixou um legado bilionário e continua norteando de uma forma ou de outra os negócios da empresa. Seus lemas são repetidos como mantras pelos funcionários e a Forbes divulgou uma lista com os principais ensinamentos do mestre. Confira o legado que Jobs deixou após sua partida.

 



 

10 lições de Steve Jobs

  • Ame o que você faz – Jobs dizia que se sentia cercado por tudo que ele mais estimava. Em primeiro lugar a empresa Apple como um todo, depois seus incríveis produtos e seus companheiros de trabalho. Jobs não nasceu rico e sua fortuna foi montada em cima de seus sonhos e trabalho duro. Nada melhor do que investir seu tempo e suor em algo que você realmente ame. A pior coisa para Jobs seria acordar e ter que ir trabalhar em um emprego de que não gostasse. Ele encontrou o que queria fazer para o resto da vida. E você? Caso sua resposta seja negativa, crie coragem e tente fazer uma mudança na sua carreira. Nunca é tarde.
  • Não tenha tolerância com palhaços – Jobs dizia ter um "detector de palhaços". Quando ele detectava um funcionário desse tipo automaticamente o demitia. Funcionários desleixados, que não contribuíam em nada para a empresa e que faziam piadas ridículas sobre tudo e todos eram logo limados por ele. "Não deixe que os palhaços se enraízem à sua volta ou eles tomarão conta de tudo". Afinal, um palhaço contrataria outros palhaços.
  • Trabalhe em equipe – por mais que você se sinta auto-suficiente ninguém consegue fazer tudo sozinho. Jobs aprendeu ao longo da vida que ele não podia carregar tudo sozinho nas costas. Se cercou de pessoas talentosas e que compartilhavam das mesmas inspirações que ele. Outro ponto importante quando se está no comando é deixar as outras pessoas talentosas brilharem também. Ser um líder e gerir bem seus funcionários é essencial para ver suas ideias darem resultados.
  • Venda o que você compraria – a Apple era o amor de Steve pois a empresa lançava produtos e funcionava do jeito que ele sempre sonhou. Tudo que a Apple lançou igualou ou ultrapassou o que ele idealizava. O marketing da Apple seria irrelevante se os consumidores não amassem os produtos da empresa tanto quanto Steve Jobs os amava. A lição que Jobs deixou é que você deve acreditar no que você oferece para o consumidor, seja um serviço ou produto. E que você deve gostar desse produto ou serviço. Caso não consiga veja o que tem de errado com eles e torne-os bons para você e seus consumidores.
  • Almeje fazer o melhor produto mas cuidado com o preço – nesse quesito a Apple até passa um pouco do limite. Seus produtos são um pouco caros, mas a tecnologia é tão incrível que os preços acabam ficando em segundo plano. Ou seja, cobre o que é justo pelo produto que está vendendo. Você pode e deve fazer o melhor produto, mas deve entregar algo diferenciado para que o consumidor pague satisfeito. A Apple nunca almejou fazer produtos apenas para ricos, a classe média também compra iPhones e iPads, então o diferencial não é exclusividade e sim a experiência que esses produtos proporcionam.
  • Se a competição é grande mude as regras do jogo – Difícil imaginar que na época de hoje alguém pagaria para escutar músicas. Steve Jobs conseguiu. Com a tecnologia touch implementada no iPod de repente ninguém se importava em pagar pelas músicas no iTunes. Todos queria ter a experiência que o iPod proporcionava na ponta dos dedos. Enquanto os smartphones ainda contavam com teclados físicos, Jobs revolucionou a indústria com um simples "toque" de mestre. Esse é apenas um exemplo, todos os produtos da Apple contam com esse diferencial que só Jobs concebia que encanta os usuários. Ele costumava dizer que o consumidor não sabe o que quer até que você mostre para ele. Usar os dispositivos da Apple é meio assim, você descobre coisas incríveis que não sabia que precisava. A lição é que nenhum jogo é tão difícil que não possa ser vencido. Basta utilizar outras estratégias, pensar diferente e mudar as regras a seu favor.
  • Priorize sua saúde – Jobs deixou inúmeras lições sobre negócios mas se descuidou de sua saúde. A lição que ele deixa com sua morte prematura é que devemos priorizar nossa saúde. O câncer que matou Jobs poderia ter sido tratado de forma mais agressiva, mas ele preferiu fazer uso de terapias naturopáticas que não se mostraram eficazes. Ou seja, se tivesse apostado na medicina tradicional e seguido os conselhos de seus médicos talvez ainda estivesse vivo. Quando Jobs resolveu seguir os conselhos dos médicos já havia perdido muito tempo e espaço para a doença.
  • O sucesso não é a linha de chegada – não se acomode quando o sucesso finalmente chegar. A Apple é um grande exemplo disso, pois mesmo depois que passou a liderar as vendas de celular com o o iPhone (demorou 10 anos para isso!) a empresa não tirou o pé do acelerador. Jobs e seus executivos continuaram empenhados em expandir os negócios e conquistar outras áreas. O iPad atualmente domina a área de tablets por exemplo.
  • Saiba apresentar seu produto – uma das maiores críticas que faziam a Apple e Jobs era sobre as apresentações que ele fazia de seus produtos. Os críticos diziam que se tratava de um marketing exacerbado para fazer lavagem cerebral nos consumidores. Mas aprenda mais uma vez com o mestre, a apresentação do seu produto é tão importante quanto o próprio produto. As apresentações de Jobs viraram obras mitológicas. Aproveite esse conceito de boas apresentações para sua carreira, produto ou empresa e deixe boas impressões.
  • Você tem orgulho de seu trabalho? – Abrimos as lições de Jobs com o mantra "ame o que seu trabalho". Vamos fechar falando da importância de se orgulhar dele também. A Apple faz questão de perguntar aos seus empregados se eles ainda estão orgulhosos de seus trabalhos e se falariam bem do que fazem para família e amigos. Caso a resposta seja negativa estuda-se o que pode ser feito para motivar esse funcionário. O foco não está na empresa e sim nas pessoas que fazem a empresa funcionar. Claro que o problema pode vir da pessoa, então essa é uma pergunta que deve ser feita tanto na sua carreira quanto na sua vida pessoal: você se orgulha do que faz?