A diferença entre Ateus e Agnósticos

Religião sempre foi um tema espinhoso. O problema piora quando os ensinamentos espirituais dão lugar a um fanatismo desmedido. Guerras foram e são travadas até hoje por conta de diferenças religiosas. Ou a religião serve como desculpa para que guerras e perseguições sejam travadas. Basta lembrar das Cruzadas e da Inquisição. Mas existe uma grande parcela de pessoas que não seguem nenhuma religião. São os chamados ateus e agnósticos.

Ateísmo vem do grego e significa "negação de Deus". O termo foi cunhado por volta do final do século XVI, durante a Inquisição, embora existam relatos de tribos primitivas que não idolatravam nenhum deus. Na verdade a Igreja na época da Inquisição considerava qualquer um dissidente ateu. A religião passou a ser desculpa para perseguição e execução de qualquer um que se opunha ao poder da Igreja. ,

Já o termo agnosticismoquer dizer "deus desconhecido" e também vem do grego. O termo foi usado pela primeira vez pelo cientista inglês T. H. Huxley, no século 19. Huxley usou o termo para tentar expressar sua ignorância a respeito de várias coisas, entre elas Deus. Ele não estaria negando a existência de Deus como os ateus e sim confessando não ter provas para provar sua existência, já que era um cientista.

Não se sabe ao certo quantas pessoas não têm religião em todo o mundo. Assim, quem não tem uma crença, não acredita em divindades e nem em seres sobrenaturais professa o ateísmo, que significa “sem Deus”. Ou seja, os chamados ateus não acreditam na existência de um Deus ou deuses. Assim, sendo, o ateu não precisa ter provas da não existência de Deus, para ele basta não crer na existência de um Deus criador do universo, onisciente, onipresente. Simples assim.  

Mas, e o agnóstico? Ele pensa da mesma forma que o ateísta? Não. Enquanto que a expressão ateísmo significa “a negação de Deus” em grego, no agnosticismo (“deus desconhecido”, em grego), os agnósticos alegam que é impossível provar a existência – ou não – de Deus. Ou seja, eles não creem de forma racional na existência de evidências do metafísico, do divino ou do sobrenatural, e questionam a existência de um ser pertencente a um poder superior.

Pensadores como David Hume, Herbert Spencer e Immanuel Kant compartilharam da ideia de Huxley e desenvolveram a doutrina filosófica do agnosticismo, postulando que postula-se que a compreensão de assuntos metafísicos, tais como a existência de Deus por exemplo, é inacessível ou incognoscível ao entendimento humano já que não podem ser comprovados cientificamente. Dessa forma, agnósticos ou ateístas consideram o conhecimento da existência de Deus algo impossível. Daí surge o termo ateísmo agnóstico: ao assumir que é impossível ter o conhecimento da exsistência de Deus o indivíduo não pode acreditar que Ele exista.

Muitas pessoas que hoje se declaram ateus foram criadas na Igreja Católica, mas perderam a fé em algum momento de suas vidas e passaram a não mais acreditar em Deus. Elas revelam ainda que os religiosos não têm respeito com as pessoas sem fé, sendo, inclusive, chamadas de imorais só porque dizem que não têm religião. Uma coisa não tem nada a ver com a outra, religião não define caráter. Ser uma pessoa boa, preocupada com o bem estar do próximo independe de religião. A bondade é inerente à pessoa, cultivada por uma boa criação e educação. Valores devem ser passados e ensinados independentemente de religião. Aliás, religião não deveria servir de muleta para nada. Impôr vontades e educação através do medo não faz bem para ninguém. A espiritualidade e bons ensinamentos das religiões são válidos, mas o aspecto dominador e doutrinador nunca fez bem à civilização.

Entre os famosos que revelaram serem ateus destaque para Woody Allen, ator e diretor; Jodie Foster, atriz; Bjork, cantora, Dráuzio Varella, médico; Lima Duarte, ator; Chico Buarque, cantor, entre outros. 

Igreja Ateísta

Você já ouviu falar na Igreja Ateísta? Pois ela existe e está chamando a atenção de quem é ateu. A Assembleia de Domingo está localizada no norte de Londres, na Inglaterra, e os cultos são liderados pelo comediante Sanderson Jones juntamente com a co-fundadora Pipa Evans. 

A cerimônia não religiosa, é claro, é um sucesso entre os ateus. Mesmo porque em seus cultos não há hinos de louvor, nem pregação do Evangelho. Pelo contrário, os “fiéis” se reúnem para cantar músicas de pop/rock, como as de Steve Wonder e da banda Queen.

O culto alternativo, portanto, se transforma em um grande show, com as pessoas celebrando a vida enquanto assistem a shows de comédia e apresentações de música. Os ateus também podem participar de palestras sobre ciência ou de leituras, mas que não têm nada a ver com as histórias da Bíblia. As histórias são narradas em dias de culto, uma delas foi “Alice no País das Maravilhas”.

Uma das poucas semelhanças com a Igreja Católica ou Evangélica é a coleta de dinheiro, que é utilizado no pagamento dos atrativos da cerimônia e também na organização de novos encontros. Quem sabe não poderia se chamar "dízimo cultural"?

A maioria dos frequentadores é jovem e de classe média, que diziam sentir um vazio nas manhãs de domingo após terem abandonado a fé cristã. Os “fiéis” que frequentam a Igreja Ateísta dizem que ela não é uma simples igreja, mas sim uma congregação não religiosa, um espaço onde podem se reunir e praticar o espírito de comunidade, mas sem o aspecto religioso.

Devido ao sucesso, a tendência, se depender dos seus fundadores, é aumentar o número de fiéis e fundar novas congregações em outros bairros ou cidades da Grã-Bretanha. Só esperamos que não vire mais uma religião!