Por que gostamos tanto do apocalipse?

Comportamento2.289 Visualizações

Todo ano parece que tem um apocalipse chegando, destinado a finalmente fazer a nossa civilização sucumbir. Não estamos falando apenas de 2012 e o calendário Maia, sempre existiram "profecias inevitáveis" ao longo da história da humanidade, desde a bíblia até hoje.


Mas por que essa fixação do ser humano com o fim do mundo? Reunimos 10 motivos para tentar entender por que somos obcecados pelo fim dos tempos.

1 – Muitos acham que são importantes demais

Sim, o ser humano costuma atribuir a si mesmo uma importância incompatível. Isso se deve ao fato do cérebro humano não conseguir conceber a vastidão do universo. Para muitas pessoas somos o centro do mundo e do universo. Assim, muitos acreditam que o mundo deve acabar porque eles são muito importantes e nada mais deve vir depois deles.

2 – Dar um sentido para a vida

A ideia de que não há um sentido da vida nos assusta, por isso o apocalipse se presta a um papel psicológico fundamental, estabelecendo uma luta fundamental entre a ordem e o caos. As sociedades humanas sempre tentaram criar algum tipo de estrutura para dar a nossas vidas algum tipo de significado. A religião alimenta essa luta entre a luz e as trevas, a vida e o juízo final. A noção de paraíso dá aos seres humanos motivos para viver, sendo assim acreditar no fim do mundo e no julgamento final é natural.

3 – O fim do mundo alimenta uma necessidade básica do ser humano: poder

Previsões apocalípticas são uma maneira de tentar controlar a forma como o mundo (e as pessoas) funciona.

A única coisa que nunca se pode prever é o tempo que viveremos e como morreremos. O que acontece durante épocas de privações – guerra, fome ou maus momentos em geral – é um aumento na pregação e ideias apocalípticas. E nesses momentos parece que todos acreditam no fim dos tempos como se não houvesse amanhã, já que o futuro é negro e incerto para quem está em tais situações.

4 – Desejo coletivo de morte

Apocalipse - cidade vazia

Ok, essa é meio pesada, mas Immanuel Velikovsky, que escrevia sobre catástrofes antigas, tinha uma teoria inquietante de que a humanidade bloqueia da sua memória o fracasso das civilizações do passado, ao mesmo tempo em que deseja essas catástrofes – como um desejo de morte coletiva.

Considerando o aquecimento global, guerras, colapso financeiro e outras coisas que podem destruir a humanidade de forma coletiva, isso é um pouco preocupante. Mas precisamos distinguir entre o fim da nossa espécie (muito mais provável) e o fim do planeta (altamente improvável).

5 – Estamos todos entediados

A vida pode parecer maçante às vezes. O mesmo trabalho, a mesma rotina todos os dias, família, contas… são muitas responsabilidades.

Uma injeção de caos poderia aliviar toda essa baboseira. Afinal, as representações de eventos apocalípticos nos filmes não são épicas e sexy? Temos certeza de que teríamos atrizes e atores sarados correndo em calças de couro apertadas salvar o mundo. Poderia apimentar uma manhã sem graça de segunda-feira, não? Mas fora da brincadeira, tem muita gente que não vê sentido nessa vida e torce por uma mudança brutal na sociedade.

6 – Está previsto

Todas as religiões do mundo preveêm o apocalipse. A população do Ocidente está provavelmente mais consciente da escatologia cristã (teoria religiosa sobre o fim do mundo). Até recentemente, foi dado como certo por muitos crentes que a segunda vinda de Cristo e o fim do mundo eram iminentes. Afinal de contas é mais fácil controlar uma população que se agarra ao terror de alguma destruição iminente.

7 – É senso comum

Fim dos tempos

Robert Oppenheimer tinha uma aposta com os outros membros do Projeto Manhattan para saber se a primeira bomba atômica (que eles estavam prestes a detonar) iria começar uma reação em cadeia que destruiria a atmosfera da Terra. O outro cara não ganhou a guerra e apenas duas bombas foram detonadas, assim a aposta nunca foi concluída.

Quando a Guerra Fria estava acontecendo, o culpado mais provável para o apocalipse eram as armas nucleares – e elas certamente chegaram perto de aniquilar a civilização. Atualmente o apocalipse pode chegar através de um cenário catastrófico de mudança do clima mundial, que deixaria o planeta mais ou menos intacto, mas acabaria com a humanidade. Ou quem sabe a quantidade massiva de música ruim possa levar a humanidade à loucura?

8 – Não haveria consequências se não houvesse amanhã

Quando você está mergulhado em dívidas até o último fio de cabelo, tem que trabalhar demais e ganhar pouco, ou está deprimido com a crise financeira global e as mudanças climáticas, um evento apocalíptico pode parecer como uma lufada de ar fresco. Todos os problemas acabariam como num passe de mágica!

O poder de apagar o passado é uma força poderosa, de fato. Afinal, você realmente não quer ter de pagar os seus cartões de crédito para o resto de sua vida, certo?

9 – Faz o ser humano refletir

Basta ver qualquer filme com temática apocalíptica que seja ao menos razoável. É uma excelente oportunidade para examinar nossa espécie como um todo.

Uma boa ficção gira em torno de conflitos em um nível pessoal e não há muitos cenários que permitam o mesmo estilo de especulação ampla como um evento apocalíptico. Tragam os zumbis, mutantes, estrangeiros, porque quando as coisas ficam difíceis … você sabe o resto.

10 – O mundo vai acabar de qualquer jeito

Sol engolindo a Terra

É fácil zombar daqueles que tentaram prever um apocalipse e falharam, mas pensar sobre as maneiras que o mundo pode acabar, ou o momento em que ele vai acabar, pode preencher uma necessidade humana básica.

Os que acreditam no fim do mundo, sejam eles religiosos ou não, têm uma coisa a seu favor: o mundo vai acabar um dia. O planeta não pode durar para sempre – os astrônomos prevêem que o planeta tem cerca de mais 7,5 bilhões de anos até que seja engolido pelo nosso sol.

Enquanto isso: se estamos fazendo apenas uma aparição especial como uma pequena espécie de bípedes baseados em carbono em um épico aparentemente interminável. Não devemos aproveitar o máximo esse breve momento em que estamos no palco?